AEROVIA

ARQUEOLOVIA

ASTROVIA

DORNAS DIGITAL

ITAÚNA FANZINE

J.A. FONSECA

UFOVIA

VIA FANZINE

          

 

ISAAC BIGIO

 

 

Gaza:

Cessar o massacre em Rafah

Depois de quase 8 meses de ter transformado a Faixa de Gaza na área mais bombardeada das últimas 8 décadas em todo o mundo, o exército hebreu não consegue encontrar os principais líderes dos diferentes grupos armados palestinos.

 

Por Isaac Bigio*

De Londres/Inglaterra

Para Via Fanzine

24/05/2024

 

Israel é o primeiro país ocidental a quem o TIJ pediu para pôr fim a um genocídio e para que o procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional emitisse um mandado de prisão contra o seu governante.

 

A Corte Internacional de Justiça (CIJ), a mais alta corte das Nações Unidas, decidiu nesta sexta-feira, 24/05, que Israel “pare imediatamente sua ofensiva militar e qualquer outra ação na província de Rafah que possa infligir ao grupo palestino em Gaza condições de vida que poderia levar à sua destruição física total ou parcial".

 

Pouco depois de esta declaração ter sido divulgada, aviões israelitas bombardearam o campo de Shaboura, no centro de Rafah. Tel Aviv disse que nada nem ninguém irá detê-la no seu ataque contra a última cidade de Gaza que não ocupou.

 

Rafah é uma cidade dividida. O sul faz parte do Egito, o meio é uma área que foi desmatada para servir de corredor entre este país e Israel e o norte é o último reduto de Gaza que não foi completamente conquistado ou destruído por Netanyahu. A maior parte dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza também se refugiou lá.

 

Para Tel Aviv, Rafah teria túneis por onde fluem alimentos, remédios e armas do Egito para a Faixa de Gaza. Depois de quase 8 meses de ter transformado a Faixa de Gaza na área mais bombardeada das últimas 8 décadas em todo o mundo, o exército hebreu não consegue encontrar os principais líderes dos diferentes grupos armados palestinos.

 

Também não libertou militarmente a maior parte dos 250 reféns capturados em 07/10/2023. Quase todas as pessoas raptadas que regressaram às suas casas o fizeram através de negociações e várias dezenas já morreram graças ao fogo das próprias Forças Armadas israelitas.

 

Israel é o primeiro país ocidental a quem o TIJ pediu para pôr fim a um genocídio e para que o procurador-chefe do Tribunal Penal Internacional emitisse um mandado de prisão contra o seu governante. Netanyahu acredita que pode ignorar isto, transformando assim Israel num Estado pária, fazendo com que dezenas de milhões de pessoas se manifestem em todo o mundo em apoio à Palestina e conduzindo à pior crise que o seu país alguma vez teve.

 

A brutalidade da extrema direita sionista tornou-a no melhor propagandista mundial para que os palestinos tenham a sua própria república.

 

* Isaac Bigio é professor e analista internacional em Londres. Economista político e historiador com formação e pós-graduação na London School of Economics & Political Sciences. É autor de artigos veiculados em comunidades latinas de todo o mundo e colaborador de Via Fanzine.

 

- Texto traduzido e editado por Pepe Chaves, para Via Fanzine.

 

- Imagem: Divulgação.

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2024, Pepe Arte Viva Ltda.

 

*  *  *

 

Em guerra:

Israel contra o resto do mundo

Ao tomar conhecimento da resolução pró-trégua do Conselho de Segurança da ONU, o ministro da Segurança Nacional israelita, Itamar Ben-Gvir, acusou a ONU de serem "anti-semitas". Já são pelo menos 110 mil habitantes de Gaza que foram mortos, estão desaparecidos ou feridos. Isso significa 5% dos 2.300.000 moradores da Faixa de Gaza.

 

Por Isaac Bigio*

De Londres/Inglaterra

Para Via Fanzine

01/04/2024

 

Já são pelo menos 110 mil habitantes de Gaza que foram mortos, estão desaparecidos ou feridos. Isso significa 5% dos 2.300.000 habitantes da Faixa de Gaza.

 

EUA se abstiveram na ONU

 

Na segunda-feira, 25 de março, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) aprovou pela primeira vez uma resolução apelando por um cessar-fogo temporário em Gaza. Depois de três propostas anteriores que foram vetadas pelos EUA, desta vez Washington absteve-se, fazendo com que a resolução fosse aprovada, com votos dos outros 14 membros.

 

Linda Thomas-Greenfield, embaixadora de Washington na ONU, depois de ter permitido a aprovação da resolução, sustentou que “não era vinculativa”, embora tudo o que foi emitido pelo referido Conselho o seja. Entretanto, a sua megapotência continua a armar Israel, tal como Londres, que votou a favor da referida resolução.

 

Os palestinos saudaram esta medida que agrava o atrito entre o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o presidente americano, Joe Biden. Enquanto Tel-Aviv assegura que nunca reconhecerá um Estado palestiniano, Washington exige que isso seja implementado.

 

Netanyahu e as eleições em Israel

 

Chuck Schumer, líder do Partido Democrata no poder no Senado norte-americano, exigiu em 14/03 que as eleições gerais israelitas fossem antecipadas. Assim, a figura judaica eleita mais importante da história dos EUA mostrou a sua hostilidade para com Netanyahu e o seu pedido para que fosse afastado.

 

Hoje há duas figuras que poderiam substituir Netanyahu e ambos são falcões no atual gabinete de guerra. Um deles é o ministro da Defesa, Yoav Gallant, do Likud (partido de Netanyahu). Outro é Benny Gantz, o general que lidera as pesquisas e que pode fazer com que a centro-direita derrube a extrema-direita do poder.

 

Vítimas aumentam a cada dia

 

Já são pelo menos 110 mil habitantes de Gaza que foram mortos, estão desaparecidos ou feridos. Isso significa 5% dos 2.300.000 moradores da Faixa de Gaza. Entrar militarmente naquela cidade poderia multiplicar esse número. Além disso, existe o risco de provocar o Egito e outros países muçulmanos.

 

Segundo o "The Economist", Gaza está prestes a ser declarada o terceiro lugar no mundo a estar oficialmente sob grave estado de fome nos últimos 20 anos. Os outros são a Somália 2011 e o Sudão do Sul 2017, ambos na África negra, rural e pobre. Esta é a primeira vez que isto ocorre num país ocidentalizado e altamente industrializado, estando entre aqueles com os sistemas médicos e agroexportadores mais avançados do mundo.

 

O "The Economist" relata que muitos caminhões de ajuda não conseguem atravessar a fronteira norte. Além das restrições oficiais, há dezenas de ativistas pró-governo que querem impedir a sua passagem, procurando expressamente fazer passar fome os palestinianos. Todos eles não são reprimidos, o que se faz com muitas manifestações anti-guerra promovidas pelos familiares dos reféns, que exigem que a prioridade seja a troca de reféns.

 

Os EUA e os aliados regionais têm jogado alimentos por via aérea, que são insuficientes ou caem no mar. O que os palestinianos pedem a Washington é que deixe de armar Israel e que lhe permita produzir os seus próprios alimentos em paz.

 

Israel reage contra a ONU

 

Ao tomar conhecimento da resolução pró-trégua do Conselho de Segurança, o ministro da segurança nacional israelita, Itamar Ben-Gvir, acusou a ONU de serem "anti-semitas". Este adjetivo foi grosseiramente prostituído. O “anti-semitismo” é o que os judeus europeus sofreram quando foram segregados como cidadãos com menos direitos, confinados em guetos ou assassinados em pogroms. Tudo isto é o que Tel-Aviv está a promover hoje contra os palestinianos, que são o povo semita cujo DNA é mais semelhante ao dos antigos israelitas da Bíblia.

 

Quando ocorreu o massacre de 1.200 israelenses em 7/10/2023, Eylon Levi, porta-voz oficial do governo israelense, garantiu que essas ações foram “genocidas”. Os EUA acusam a China e a Birmânia de genocídio pelo tratamento dado aos muçulmanos nos seus respectivos países. No entanto, o nível de massacre de crianças (em Gaza há mais crianças mortas do que em todas as guerras desta década em todo o planeta), a destruição de todos os hospitais, universidades e 70% das casas e os níveis de fome orquestrados, são tragédias ainda maiores que esses casos.

 

Se este cessar-fogo não for implementado agora, existe o risco de as matanças se espalharem para o Líbano-Síria. Enquanto isso, Israel se vê sozinho. A Colômbia pede que se Tel-Aviv não der uma trégua, as relações com ela sejam rompidas.

 

Enfim, esta devastação humanitária pode acabar por se espalhar para o próprio Israel, se esta loucura não cessar logo.

 

* Isaac Bigio é professor e analista internacional em Londres. Economista político e historiador com formação e pós-graduação na London School of Economics & Political Sciences. É autor de artigos veiculados em comunidades latinas de todo o mundo e colaborador de Via Fanzine.

 

- Texto traduzido e editado por Pepe Chaves.

 

- Imagem: Divulgação.

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2024, Pepe Arte Viva Ltda.

 

*  *  *

 

Argentina:

Milei toma posse e anuncia choque

O ponto central é que ele prometeu um ajuste econômico drástico e imediato. Disse que isso seria pago pelo Estado e não pelo setor privado.

 

Por Isaac Bigio*

De Londres/Inglaterra

Para Via Fanzine

11/12/2023

 

Para Milei, a Argentina entrou numa nova era onde não há como voltar atrás em direção ao nacionalismo.

 

Javier Milei tomou posse como novo presidente argentino no domingo, 10 de dezembro. Entre seus convidados estavam os líderes de todos os seus cinco países vizinhos (Chile, Bolívia, Paraguai e Uruguai), exceto o Brasil, com quem ameaçou romper muitos acordos (por outro lado, uma delegação do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro compareceu). Presidentes de direita da região (como os do Equador ou de El Salvador) também compareceram. Dina Boluarte não pôde vir devido à grande crise que atravessa o Peru.

 

Venezuela, Nicarágua e Cuba não foram convidados porque Milei quer expulsá-los da OEA. Ele também cancelou a entrada da Argentina no bloco expandido BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), algo que aconteceria em janeiro. Milei vai querer destruir o Mercosul, a UNASUL e a CELAC. Ele vai anular as tentativas do Brasil e da Argentina de avançar para uma moeda única regional e pretende avançar para a dolarização do seu país. A China procura evitar que Milei rompa relações com ela, apesar de estar desbancando os Estados Unidos como principal parceiro comercial de vários países sul-americanos.

 

Milei decidiu juntar-se ao coro de falcões contra a Rússia, razão pela qual os presidentes da Armênia e da Ucrânia assistiram à sua posse (Zelensky visitou a América Latina pela primeira vez). Embora o rei da Espanha comparecera, ninguém de grande importância do governo espanhol esteve presente, bem como dos Estados Unidos. Isto mostra que nas duas potências que passaram a dominar a América Latina há muito ceticismo em relação à sua extrema-direita.

 

Compareceu o chanceler de Israel, cuja bandeira era a única externa que tremulava na multidão que recebia Milei, enquanto o novo presidente terminava seu discurso dizendo que estamos na festa judaica das luzes (Hanukkah) e que com ela a Argentina inaugura “uma nova era”.

 

Já falando como presidente, Milei discursou contra o Kirchnerismo e contra todos os modelos econômicos que o país teve em um século. Segundo ele, deve-se voltar ao liberalismo que a Argentina teve na segunda metade do século XIX, que fez da sua república a primeira potência mundial. Esta última é mentira, uma vez que nenhuma nação ao sul dos Estados Unidos alguma vez ocupou tal lugar. Durante todo o período mencionado, todas as grandes potências mundiais eram europeias (especialmente os britânicos, que possuíam um quarto da humanidade).

 

O ponto central é que ele prometeu um ajuste econômico drástico e imediato. Disse que isso seria pago pelo Estado e não pelo setor privado. Além disso, reduziu os ministérios para nove, enquanto foram extintos setores-chave como educação, cultura, petróleo e agricultura. O choque que propõe envolverá centenas de milhares de demissões no setor público (e também no privado). Ele próprio avisou que suas medidas seriam muito duras e não graduais, o que faria o poder de compra da maioria cair durante um primeiro período. Para justificar, explicou que a inflação anual já estava prestes a atingir os quatro dígitos, quando está apenas na casa dos três dígitos.

 

Ameaçou ser muito forte contra a resistência, enquanto uma série de greves, marchas e ocupações serão inevitáveis. Se ele argumenta que o “populismo” falhou na Argentina, o neoliberalismo falhou lá antes, durante a década de Menem (anos de 1990), como antes no Peru, no Chile, na Bolívia e em todos aqueles que implementaram truques monetaristas.

 

Para Milei, a Argentina entrou numa nova era onde não há como voltar atrás em direção ao nacionalismo. A experiência de todos os países que aplicam choques neoliberais é que a pobreza aumenta (não fecha, como argumenta Milei) e que no final, esses mesmos países se voltam para novas formas de intervencionismo estatal e medidas de proteção social.

 

* Isaac Bigio é professor e analista internacional em Londres. Economista político e historiador com formação e pós-graduação na London School of Economics & Political Sciences. É autor de artigos veiculados em comunidades latinas de todo o mundo e colaborador de Via Fanzine.

 

- Texto traduzido e editado por Pepe Chaves.

 

- Imagem: Divulgação.

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2023, Pepe Arte Viva Ltda.

 

*  *  *

 

Eleições presidenciais:

Milei triunfa na Argentina

Milei se autoproclama um "anarquista capitalista" e afirma ter orgulho de ser o primeiro presidente libertário da humanidade. O seu “anarquismo” não visa abolir as classes sociais, mas sim ampliar as diferenças entre elas.

 

Por Isaac Bigio*

De Londres/Inglaterra

Para Via Fanzine

20/11/2023

 

Milei disse que imporá suas medidas de forma repentina e sem gradualismo. A Argentina poderá entrar numa nova explosão social com marchas e greves.

 

Um século depois de a revolução anarquista argentina ter sido reprimida com sangue, nesse mesmo país, alguém que reivindica uma variante do anarquismo assumirá a presidência, pela primeira vez no mundo.

 

Antes, todas as insurgências anarquistas terminaram em derrotas violentas (França 1871, Rússia 1918-21, Espanha 1936-39, etc.) e não conseguiram anular classes e Estados num único golpe para abrir caminho a uma sociedade comunista igualitária. Mas, Javier Milei diz que sua bandeira não é a vermelha e preta dos anarquistas de antigamente. Ele reivindica a cor preta da anarquia, mas substitui o vermelho comunista pelo amarelo do ouro capitalista.

 

Milei se autoproclama um "anarquista capitalista" e afirma ter orgulho de ser o primeiro presidente libertário da humanidade. O seu “anarquismo” não visa abolir as classes sociais, mas sim ampliar as diferenças entre elas. Não condena as atrocidades das ditaduras militares e nega a maior parte do que Videla fez. No entanto, visa anular ao máximo o papel do Estado. Quer reduzir os ministérios de 20 para 6, eliminar a despesa pública na saúde e na educação e dar liberdade a todas as empresas.

 

Mais do que um triunfo das suas excentricidades, foi uma derrota do kirchnerismo, punido por desencadear uma grande inflação de 300% ao ano. Toda a direita se uniu para que Cristina (que está no poder há 20 anos) fosse presa. Tal como aconteceu em 1985 na Bolívia e em 1990 no Peru e na Argentina, será aplicado um choque que estabilizará a economia através de despedimentos massivos e privatizações.

 

Milei disse que imporá suas medidas de forma repentina e sem gradualismo. A Argentina poderá entrar numa nova explosão social com marchas e greves. A sua política externa procurará afastar a Argentina dos BRICS (justo quando estava prestes a entrar no grupo), do Mercosul, da UNASUL e da CELAC. Pretende anular vários investimentos e contratos com o Brasil e a China e reverter o plano de criação de uma moeda continental e, em vez disso, ele encorajará a dolarização. Milei será o governante de extrema direita do hemisfério, trabalhando para reverter a onda progressista ibero-americana.

 

* O professor Isaac Bigio é analista internacional em Londres. Lecionou política latino-americana na London School of Economics. É autor de artigos veiculados em comunidades latinas de todo o mundo e colaborador de Via Fanzine.

 

- Texto traduzido e editado por Pepe Chaves.

 

- Imagem: Divulgação.

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2023, Pepe Arte Viva Ltda.

 

*  *  *

 

Greve Nacional no Peru:

O Congresso deve substituir Dina?

O atual Congresso tem 88% de reprovação e é um dos mais impopulares do mundo e também da história peruana. Nenhum de seus 130 membros se atreveu a pronunciar-se contra a ultraexpressa renúncia do presidente Castillo.

 

Por Isaac Bigio*

De Londres/Inglaterra

Para Via Fanzine

19/01/2023

 

 

Os protestos repudiam Boluarte, porém, mais ainda o congresso, que querem fechar agora.

 

A Confederação Geral dos Trabalhadores do Peru (CGTP) convocou uma greve nacional de 24 horas para quinta-feira, 19 de janeiro, quinze dias depois que diferentes frentes regionais de defesa convocaram uma greve por tempo indeterminado.

 

O importante é que desta vez os sindicatos se unam ao protesto, embora ainda não tenha sido formado um comando unitário de luta, como acontecia antes das greves contra a ditadura militar para centralizar as mobilizações. O slogan central da CGTP é a renúncia imediata da presidente Dina Boluarte e da mesa diretora do Congresso.

 

Isto implica que se endosse que o atual Parlamento é quem escolhe quem a substitui. O atual Congresso tem 88% de reprovação e é um dos mais impopulares do mundo e também da história peruana. Nenhum de seus 130 membros se atreveu a pronunciar-se contra a ultraexpressa renúncia do presidente Castillo, o que foi feito ilegalmente sem emitir uma resolução por escrito ou permitir que alguém defendesse o acusado.

 

Apenas seis deles votaram contra. A maioria dos esquerdistas votou a favor do golpe parlamentar que levou Boluarte ao palácio. Como a extrema direita domina este Parlamento, quem substituir a atual liderança vai ser desse setor.

 

Antes, o PL defendia que parlamentares eleitos pelo RP presidissem o conselho de ministros ou o congresso. Todos deram um voto de confiança ao gabinete massacrante. Héctor Valer foi o único capaz de insultar os mortos de Juliaca, cobrindo-os com um pano, acusando-os de senderistas.

 

O pastor Esdras Medina culpou os gays por Deus ter nos punido com catástrofes naturais. Os protestos repudiam Boluarte, porém, mais ainda o congresso, que querem fechar agora. Qualquer presidente indicado por ele procurará adiar ao máximo as eleições, pois a maioria deles sabe que não pode ser reeleito e não quer perder seus privilégios. Sete em cada 10 peruanos apoiam uma nova Assembleia Constituinte. Um deles com plenos poderes deve ser convocado imediatamente e ser o único a nomear e supervisionar um governo de transição.

 

* O professor Isaac Bigio é analista internacional em Londres. Lecionou política latino-americana na London School of Economics. É autor de artigos veiculados em comunidades latinas de todo o mundo e colaborador de Via Fanzine.

 

- Texto traduzido e editado por Pepe Chaves.

 

- Imagem: Divulgação.

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2023, Pepe Arte Viva Ltda.

*  *  *

 

 

Ir para a página principal

 

AEROVIA ARQUEOLOVIA ASTROVIA DORNAS DIGITAL ITAÚNA FANZINE J.A. FONSECA UFOVIA VIA FANZINE

          

© Copyright, Pepe Arte Viva Ltda.