AEROVIA ARQUEOLOVIA ASTROVIA DORNAS DIGITAL ITAÚNA FANZINE J.A. FONSECA UFOVIA VIA FANZINE

          

Crônicas

 

Nas curvas da vida:

Trinta anos de experiência

Ela era loira, elegante, discreta, um pouquinho robusta, pernas grossas - as quais ela parcialmente exibia, sob as saias que trajava, cada qual mais linda! E quando ela lançava aquele seu olhar, com aqueles olhos verdes, moles, lembrando a Roberta Miranda.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

08/07/2019

 

Nessa hora, vai parando em frente ao bar um luxuoso carro vermelho, lindíssimo. Ouve-se uma buzina. Os boêmios, notando que quem dirigia era uma mulher, animam o campeão: - Vai lá! Ela tá olhando é pra você. Põe mais uma na coleção (risos).

 

Desde a primeira vez que o Alceu viu a Roseli, ele murmurou:

 

- Ah! Vou casar com essa mulher.

 

E ele tinha bom gosto. Ela era loira, elegante, discreta, um pouquinho robusta, pernas grossas - as quais ela parcialmente exibia, sob as saias que trajava, cada qual mais linda! E quando ela lançava aquele seu olhar, com aqueles olhos verdes, moles, lembrando a Roberta Miranda, ah, não havia homem que resistisse.  Teria uns vinte e sete anos, e o Alceu, uns vinte e cinco. A Roseli costumava ir a clubes ou restaurantes, geralmente, com suas colegas. Era bastante moderada no comer, no beber, no dançar e até mesmo no falar.

 

Voltando ao Alceu, certa vez, uma senhora comentou perto dele:

 

- O pedreiro que eu chamei fez um serviço horrível lá em casa.

 

De pronto, o moço reage:

 

- Por que a senhora não deu o serviço pra mim?

 

- Ué, você é pedreiro?

 

- Trinta anos de experiência!

 

No outro dia, alguém reclama do eletricista que contratara. “Demorou a fazer a instalação e ainda cobrou caro.” Logo o Alceu interpela:

 

- Se tivesse me contratado, eu faria rápido, melhor e mais barato.

 

- Ora, eu não sabia que você é também eletricista.

 

- Trinta anos de experiência!

 

O Alceu tinha trinta anos de experiência como pintor, bombeiro, carpinteiro, pianista, piloto de avião, professor de artes marciais, cirurgião, ginecologista e o mais que viesse. E o que todos sabiam, com certeza, é que ele era mecânico de manutenção numa indústria. Conseguiu aproximar-se da Roseli e convencê-la de que ele possuía um emprego fixo, um bom dinheiro no banco, e que a sua intenção era casar. A Roseli topou, e o matrimônio aconteceu meses depois.

 

Tudo ia indo maravilhosamente bem. O fato é que, quando se realiza um desejo, o objeto desse desejo costuma perder o valor. O Alceu passou a achar a vida de casado monótona: ter de ficar somente com uma... Aí ele se justificava: “Bem, homem ter mais de uma mulher é aceitável na nossa sociedade; mulher é que não pode ter mais de um homem.” E os colegas apoiavam.

 

A nova conquista foi a Rosimara, irmã da Roseli, de apenas dezesseis anos. Atrás de uma veio outra, e a coisa foi virando festa...

 

Até que uma noite, num bar, o Alceu chega ao cúmulo do cinismo: pega o celular e vai mostrando para os amigos as várias mulheres com quem vinha ficando: loiras, morenas, mulatas... Os vadios caem nas gargalhadas. O Anselmo é o que mais ri; depois pondera:

 

- Amigo, nesta hora, a sua esposa deve estar lá, passando a sua roupa. Ela trabalha igual escrava. Você não tem dó dela não?

 

- Tenho. Quer dizer, tenho e não tenho, porque mulher gosta mesmo é de sofrer (gargalhadas). Mulher, a gente tem que escravizar. Quanto mais a gente escraviza, mais elas se apaixonam pela gente. “Isto é verdade” – todos concordaram.

 

Nessa hora, vai parando em frente ao bar um luxuoso carro vermelho, lindíssimo. Ouve-se uma buzina. Os boêmios, notando que quem dirigia era uma mulher, animam o campeão:

 

- Vai lá! Ela tá olhando é pra você. Põe mais uma na coleção (risos).

 

O bacanão, todo cheio de si, vai até a porta. Quem ele vê dirigindo?

 

Ela: a Roseli. O galinhão fica perplexo. Aproxima-se dela e esculacha:

 

- Será que eu estou é sonhando? Ou eu estou é delirando?...

 

- Nem sonho e nem delírio. É a pura realidade.

 

- De quem é esse carrão?

 

- Gostou? É meu. Presentinho de um industrial.  

 

- Piranha! Como você chegou a acumular tanta malícia assim?

 

- Trinta anos de experiência. Sabe quando você ficava mostrando fotos de mulheres para aqueles vagabundos? Eles gargalhavam, mas era de você. Já fiquei com todos eles. Eles me contavam tudo sobre você. O Anselmo, o mais moralista, é o mais safadinho. Ele tem um fetiche...

 

- Pare! Isto já é demais! Vou te processar e matar esse industrial.

 

- Vai nada! Sabe quem é esse industrial? É o seu patrãozinho. Agora, você tem de ficar é bem bonzinho, se não, ainda perde o seu empreguinho, seu bobinho, inexperiente. Até um dia. Tchau!

 

*  *  *

 

Em Minas Gerais:

Guerra na Lotação

Num outro ponto, entra uma freira. Com olhar discreto e sorriso santo, me cumprimenta, acomodando-se também por ali. A viagem transcorria serena como uma brisa... Um episódio iria mudar todo o ritmo dessa jornada.

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

30/06/2019

 

 “E quem não tem carro, geralmente vai de trem.” É o que diz o samba. Outros vão de carona ou também de lotação.

 

Por falar nisto, entrei num coletivo, o qual saía de uma cidade da Região Metropolitana de Belo Horizonte para a capital. Os assentos antes da roleta (próximos ao motorista) eram os únicos que estavam vagos. Sentei-me num deles. Num outro ponto, entra uma freira. Com olhar discreto e sorriso santo, me cumprimenta, acomodando-se também por ali. A viagem transcorria serena como uma brisa... Um episódio iria mudar todo o ritmo dessa jornada.

 

Entra um moço moreno-claro, alto, de uns vinte e sete anos, roupas ligeiramente sujas, isentas, porém, de qualquer extravagância. Enquanto deu, foi viajando de pé, na base da malandragem, bem pertinho do motorista.

       

Dali a pouco, o condutor estende-lhe a mão, solicitando o dinheiro da passagem. O rapaz determina:

 

- Não vou pagar não.

 

- Não vai pagar por quê?

 

- Porque não tenho dinheiro.

 

- Não tem dinheiro, então, desce.

 

O moço insiste:

 

- Mas deixa eu explicar. Eu não tenho a grana é porque eu saí da cadeia hoje. Eu estava cumprindo pena por homicídio, tráfico de drogas e outras tretas aí no artigo 157.

 

(Nesse momento, algumas pessoas se apressam em descer. E eu, como um gato, passo pela roleta, mas fico ali assistindo.)

 

E olha a reação do motorista, um baixinho invocado, de uns quarenta e dois anos:

 

- “Tá quereno me intimidá? Eu não tenho medo docê não, seu trouxa; nem aqui nem na China. Pois pode descê.” (E foi reduzindo a marcha, procurando um melhor lugar para estacionar.)

 

E o passageiro:

 

- Ah, cê qué sabê duma coisa? Vai tomá...!

 

- Vai, ocê!

 

- Vai, ocê!

 

(Até aí, zero a zero, porque ninguém foi).

 

O ex-presidiário, para desempatar, inaugura um novo ataque. Dá uma cuspida na cara do motorista. O motorista retribui com duas, querendo provar que era mais homem do que ele. E a 1ª Grande Guerra de Cuspe só termina, quando acabam as salivas.

 

E a freira?

 

- Nossa Senhora! Isto aqui é o inferno. É obra de satanás. Esse moço tá é endemoniado (batendo o terço contra ele, e já tentando passar o mais rápido possível pela roleta).

 

Só que a roleta trava. E não há reza que a faça destravar. (Problema com o cartão.) A freira empurra com a mão, com o pé, com o joelho, com a barriga; empurra de frente, de lado, e nada(Até um palavrãozinho saiu nessa hora). Ela danou a tremer, a gritar, a suar. Já estava prestes a desmaiar, quando alguém tranquilizou:  

 

- Mas para que tanta luta, senhora? O perigoso já foi embora há muito tempo.

 

(Aí a roleta funcionou.)  

 

Com o tempo, eu fui vendo que este tipo de golpe, para não pagar passagem, já vem virando moda entre os mandriões.

 

 - Imagem: Divulgação.

 

*  *  *

 

Desejo:

Assalto e poesia

Primeiro, o assaltante subtraiu-lhe a bolsa. Na sequência, tomou-lhe uma das mãos, sacou-lhe um anel de brilhante; apoderou-se da outra mão, retirando-lhe um bracelete de ouro; viajou até o pescoço, usurpando-lhe o colar; não perdoou nem o rosário, que lhe dava sobrenome.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

22/06/2019

 

Após permanecer três noites acordada, só pensando no ocorrido, alguém decide levá-la a um psicólogo. “Ficou traumatizada”.

 

Maria do Rosário, viúva, sessenta e dois anos. Sábado à noite, ela vinha da missa.

 

- É um assalto! Fique caladinha aí, se não quiser perder a vida.

Maria do Rosário não esboça reação. “O susto foi tamanho, que ela ficou paralisada.” - pensaria a generalidade. Alguns, no entanto, atribuiriam este seu equilíbrio às suas incessantes orações.

 

Primeiro, o assaltante subtraiu-lhe a bolsa. Na sequência, tomou-lhe uma das mãos, sacou-lhe um anel de brilhante; apoderou-se da outra mão, retirando-lhe um bracelete de ouro; viajou até o pescoço, usurpando-lhe o colar; não perdoou nem o rosário, que lhe dava sobrenome. Não tendo mais o que roubar, puxou-a de arranco contra si, no afã de estuprá-la. No meio do ato se deteve.

 

Liberta, ela chega em casa, com uma pequena multidão ao seu redor. Alguns homens se armam e vão ao encalço do salteador.

 

- Vou ligar para a polícia. – promete uma corajosa.

 

- Não! Pelo amor de Deus! Não faça isto! – roga a coitada.

 

 “Ela morre de medo de polícia.” – comentário geral.

 

- Ladrão tem que ir pra cadeia! Melhor dizendo: tem é que ser fuzilado.

Eu sempre fui a favor da pena de morte. Assaltar uma idosa, indefesa, uma santa... – esbraveja um valentão.

 

Polícia chega. Identifica a vítima e inicia o interrogatório:

 

- Tem testemunhas?

 

- Não.

 

- A senhora pôde observar algum detalhe do bandido: rosto, algum sinal particular, como ele se trajava?

 

- Não. Nada. Eu fiquei muito nervosa.

 

- Assim fica mais difícil. Contudo, vamos tentar.

 

Após permanecer três noites acordada, só pensando no ocorrido, alguém decide levá-la a um psicólogo. “Ficou traumatizada”.

 

- Nada feito – justifica o conselheiro. Ela não se abre comigo. O primeiro a se interessar pela cura tem de ser o paciente. Quando ele não quer, o terapeuta nada pode fazer.

 

Mais três tentativas. Em vão.

 

Aparece uma menina, de uns treze anos, e Maria lhe confia esta louca e bonita confissão:

 

 “Não me importei com o assalto. Quer saber toda a verdade? Ele até que me fez bem. Eu vivo na solidão. Ninguém vem me visitar. Ninguém vem tocar em mim. Ele mostrou que eu existo. Seus olhos não eram maus. Ele nada me roubou. Tudo lhe dei de presente. De noite, eu fico acordada, esperando ele vir me visitar. (Ele chega de mansinho, vem lindo, transbordante de carinhos)”.

 

Dito isto, faleceu.

 

Quando velada, um desconhecido entrega a um dos familiares um pacote. Ele abre-o à vista de todos. Encontra um bilhete:

 

 “Perdão, bondosa senhora. A sua serenidade mudou a minha vida. Vi-a, como a mãe que eu nunca tive. Devolvo-lhe tudo, menos o dinheiro que gastei com um prato de comida, mas creio que a sua bondade me perdoará. Obrigado. Assinado: Zé-ninguém.”

 

Ela sorri.

 

- Imagem: Divulgação.

 

*  *  *

 

Surpresa:

Lua de mel

Com apenas dois meses de namoro, a Soraia, caladinha, se inscreve num concurso de misses. Resultado: ganha! Aí o Valter fica meio doido: “Nossa! Tenho que agilizar o casamento. De agora em diante, aumentarão os pretendentes, e essa miss tem que ser minha!”.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

04/06/2019

 

A dama segue em seu lavor. Num golpe arranca o vestido, desprezando-o pelo chão. Momento de êxtase. O espectador fica perplexo. Paralisado.

 

Todo mundo passou a comentar sobre a sorte do Valter:

 

- Ah! Ele ganhou na loteria.

 

- Concordo plenamente. Conquistar a Soraia não era tarefa pra qualquer um. Ainda mais com esse jeitinho meio caipira que ele tem.

 

De fato, a Soraia era lindíssima. O Valter podia não ser um galã, porém, apresentava outras qualidades: sério, sensato, trabalhador... Bem, e um dinheirinho ele possuía. Filho de fazendeiro.

 

Com apenas dois meses de namoro, a Soraia, caladinha, se inscreve num concurso de misses. Resultado: ganha! Aí o Valter fica meio doido: “Nossa! Tenho que agilizar o casamento. De agora em diante, aumentarão os pretendentes, e essa miss tem que ser minha!”.

 

Fala do seu plano com a amada, e ela aceita.

 

O matrimônio ocorre dali a trinta e sete dias. Para a lua de mel, o noivo reservara um hotel cinco estrelas, no Rio de Janeiro.  

 

Um detalhezinho: o moço, por princípios religiosos, bem próprios de sua criação, fizera votos de castidade antes do casamento. Com isto, namorava, respeitosamente, evitando que os corpos se conhecessem em toda a sua plenitude.

 

A noite é dos amantes! Chegaram ao hotel ali pelas 20h. Nem jantaram. Foram logo para a suíte.

 

O Valter notou alguma estranheza no semblante da amada. Pensativa, ela desfilava pelo quarto. O cônjuge toma a iniciativa: tira a camisa e deita-se na cama (coração batendo forte!). A ninfa, de olhar sem dono, escolhe a música “F comme femme”, sorri e inicia o striptease: livra-se do chapéu; depois, dos sapatos; das meias; da blusa... Segue desfilando, no embalo da canção. Seu olhar, seus gestos são de quem atua, não para o seu homem, mas para uma vaga plateia, o que intensifica a cobiça daquele amante apaixonado.

 

A dama segue em seu lavor. Num golpe arranca o vestido, desprezando-o pelo chão. Momento de êxtase. O espectador fica perplexo. Paralisado. (“Nunca imaginei estar tão perto de uma diva como esta. Isto não é uma mulher. É um anjo. Parece que veio de uma estrela”). Eroticamente, a exibicionista massageia os próprios seios. Após um tira-não-tira, livra-se do sutiã, o qual é jogado pelos ares. (Delírio!) Faltava apenas a última pecinha, aquela arte rósea, rendada, guardiã do Reino de Eros; o selo da virgindade... Ao curvar-se para violá-lo, desequilibra-se, cai, levanta-se rapidamente, corre para o banheiro, ordenando ao cônjuge que não vá atrás dela.

 

O companheiro aguarda o quanto pode. Agoniado pela demora, ele vai até o local e olha por cima da porta... Só agora ele consegue fitar aquela Vênus, inteiramente nua, objeto-mor do seu sonho de amor. Seu pensamento vagueia...

 

Qual um foguete corre desce tromba chega à recepção. Paga a conta, sai apressado, pega o primeiro avião de volta. 

 

No dia seguinte, reunião de famílias. Ela só alega que sofrera um transtorno intestinal. O Valter é tremendamente criticado por seu ato de abandono. Ele, timidamente, tenta se explicar:

 

- Naquele momento, eu fiquei estarrecido. Uma estrela como aquela deveria estar sentada, em um trono, não, num vaso sanitário. O choque foi descomunal! Eu não tive estrutura para suportar.

 

- Que loucura, meu filho! Ela é humana como todos nós. 

 

- Sim, meu pai. O meu erro foi idealizá-la como deusa.

 

- Imagem: Divulgação.

 

*  *  *

 

Denúncia:

O caso do Papagaio

Temos mandado para vasculhar sua residência. Queremos ver seus animais. Temos denúncia de que você mantém, em cativeiro, uma porção deles aí, e que os maltrata bastante.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

26/05/2019

 

Policiais vasculham tudo e realmente não encontram nada mais que aquele pássaro. No entanto, não lhe dão trégua.

 Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

O Deilinho trabalhava com filmagens e fotografias. Morava no quarto andar de um prédio, onde recebia os seus clientes. Era claro, gordinho, de estatura média, educado, e não se preocupava em esconder o seu jeito afeminado de ser. Ótimo profissional!

 

Apesar de já ter dividido apartamento com um colega, sentia-se mais feliz morando sozinho. Sozinho nada! Com o amigo inseparável: o Mike, seu papagaio. O nome surgiu em homenagem ao Michael Jackson, seu ídolo.       

 

Campainha toca. Toca outra vez. Toca mais.

 

- Já vou, sua bichona!

 

Abre a porta, eram um policial militar, um florestal e um fiscal. (Exibindo os documentos).

 

– Temos mandado para vasculhar sua residência. Queremos ver seus animais. Temos denúncia de que você mantém, em cativeiro, uma porção deles aí, e que os maltrata bastante. Você sabe da gravidade desses crimes, não é mesmo?

 

- Mas que animais? Eu só tenho um papagaio. Se vocês acharem mais alguma coisa, só se for pernilongo e barata. Isto aí é atitude de invejosos. Ninguém precisa me invejar. Basta fazer como eu, que deito tarde e levanto às cinco horas da manhã pra trabalhar.

 

Policiais vasculham tudo e realmente não encontram nada mais que aquele pássaro. No entanto, não lhe dão trégua:

 

- De qualquer jeito, você sabe que manter uma ave como esta em domicílio é ilegal. Quem te vendeu? Vamos atrás do vendedor.

 

- Ah, foi um caminhoneiro que eu conheci num posto de gasolina. Eu não sei o nome dele. Nunca mais o vi.

 

- Essa história de caminhoneiro desconhecido já não cola mais. Vamos levar seu papagaio. E você será responsabilizado.

 

Ele pega o Mike, abraça-o, beija-o; ajoelha-se diante das autoridades; e, com os olhos cheios de lágrimas, suplica:

 

- Se forem levar meu amigo, levem-me com ele; e se forem me prender, prendam-no comigo. Ele é o sonho da minha vida.

 

Um policial faz beicinho, tenta segurar, mas não consegue. Explode-se em prantos, lembrando a saudosa vovozinha, que tinha um igualzinho, e que era o sonho da vida dela. Todos choram.

 

Após enxugarem as lágrimas, eles se entreolham e concluem:

 

- A denúncia de que esse moço maltrata os animais é totalmente falsa. Ele é mesmo muito amoroso. O que vamos fazer?

 

- Ah, vamos dar o caso por encerrado.

 

(Bem, e já que eles eram sentimentais, Deilinho agradece e dá um abraço e um beijinho em cada um deles).

 

Notícia corre, no mesmo dia, a vizinha do segundo andar vai procurar o Deilinho. Diz que seu filho sempre foi louco para ter um papagaio, mas os pais não compravam, com medo de dar problema. Já que não deu, você poderia me informar onde você comprou?

 

- Ah, mas é claro. Eu comprei foi na mão do Fofinho, lá na feira. É só você procurá-lo e falar que fui eu que indiquei, que ele te vende. A mulher vai, encontra o Fofinho e compra um lindo para o filhinho.

       

 papagaio do segundo andar (o do menino) e o do quarto (o do Deilinho) fizeram a maior amizade! Ficam o tempo todo na janela tagarelando. Um pergunta de lá, o outro responde de cá.

 

E no apartamento do terceiro andar - o que ficou entre as duas aves tagarelas -, foi colocada uma placa bem grande:

 

VENDE-SE BARATO. Motivo: mudança.

 

- Imagem: Divulgação.

 

*  *  *

 

Coisa do destino:

Gripe nos ossos

Dona Alzira,apresentava-se calada, carrancuda, isolacionista, contudo, cortesã. Seu modo intocável talvez ocultasse um mecanismo de defesa: era riquíssima.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

18/05/2019

 

A rapaziada passou a comentar: “Como um camarada desse: mulato, pobre, fabricante de pirulitos, foi namorar com uma princesa daquela?”... Quer saber a resposta?

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

O Pedro Pirulito parou, deu uma escoradinha num poste, uma tossidinha, respirou fundo, limpou o suor e se foi cumprindo a sua sina, de vender seus pirulitos.

 

Em frente, uma mansão. Nela viviam mãe e filha. Adele era um tipo nobre. Magra, clara, cabelos longos, ondulados, com tons de ruivo e doirado, pele finíssima, uma princesa enfim. Outro dote era entender de chocolates. Dona Alzira, sua mãe, apresentava-se calada, carrancuda, isolacionista, contudo, cortesã. Seu modo intocável talvez ocultasse um mecanismo de defesa: era riquíssima.

 

A Adele, vendo o Pedro naquela tosse, perguntou-lhe:

 

- Passando mal, moço?

 

- Não. Obrigado por se incomodar, mas é coisa atoa.

 

- Vá a um posto de saúde. Pode ser tuberculose. O senhor é fortão, mas o bacilo “dicoque” (de Koch) pode atacar qualquer um.

 

- Dicoque é sapo, né? O bacilo dicoque é o único que é, ao mesmo tempo, um bacilo e um sapo.

 

A moça, só acostumada com nobreza, desata em risos com aquele jeito espontâneo do rapaz.

 

Três dias depois, coincidência: ele passando em frente à mansão, e ela, à porta.

 

- Melhorou, moço? Foi ao médico?

 

- Fui. Tô melhorando.

 

- E era tuberculose mesmo?

 

- A senhora tá doida pra me “impurrá” uma tuberculose, né? (Ela riu demais.) O médico falô que eu tô é com gripe nos ossos.

 

- Oh! Que negócio gozado! Quer dizer, não é caso de rir não.

 

- Gozado pra quem num tem, né? (Novos risos.)

 

Encontrando-se com a rapaziada, o Pedro anunciou:

       

- Tô namorando com a Adele.

       

- Que Adele?

       

- A da Dona Alzira.

       

- Ah, cê tá é doido! (Gargalhadas e mais gargalhadas.)

 

E estavam namorando mesmo. (Tudo, escondidinho de Dona Alzira, é claro). A rapaziada passou a comentar: “Como um camarada desse: mulato, pobre, fabricante de pirulitos, foi namorar com uma princesa daquela?”... Quer saber a resposta?

       

O Pedro Pirulito pirulitou a moça e estão prestes a se casar. Ao saber do ocorrido, a mãe desmaia. Ao voltar desse desmaio:

 

- Filha, você merece pessoa melhor! Todavia, se foi esse piruliteiro que você escolheu, então casa, mas não conte com o meu dinheiro, nem antes, nem depois do casamento, ouviu? 

 

Casaram-se. Por amor, Adele trocou a mansão por um barraco. O início foi como um pirulito: duro, porém, doce. A liberdade os fez crescer. Inauguraram uma fábrica de chocolates, que chegou a exportar. Mesmo assim, dispensavam qualquer luxo. A Adele não queria repetir aquele monte de etiquetas a que vivia submetida. 

 

À noite, sentam-se num sofá rasgado e conversam abobrinhas:

 

(Pedro) – Amor, quem começou toda essa brincadeira?

 

(Adele) – Eu, quando te perguntei se você estava doente.

 

(Pedro) – Eu, porque se não tivesse aquela gripe nos ossos, você não teria nada pra perguntar.

 

Beijam-se.

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Amizade:

Missa De Sétimo Dia

Sábado. Sete da noite. Oito. Nove. Nove e meia. Dez. Dez e meia. Onze... Nada. O Vicente não passou nem deu a mínima satisfação. O Eduardo teve vontade de esmagá-lo.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

05/05/2019

 

Quase tromba com um antigo colega seu: o Ramon. Os dois haviam trabalhado como pedreiros em uma construtora. O Edu aperta rapidamente a mão dele e promete voltar.  

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

O Eduardo fica conhecendo o Vicente num bar. Tornam-se amigos. Três semanas depois, o Vicente o convida para uma festa, a realizar-se em seu sítio. Promete que passará em sua casa, sábado à noite, para levá-lo de caminhonete. O Edu já começa a festejar. O que ele mais adorava nesta vida era comer e beber de graça.

 

Sábado. Sete da noite. Oito. Nove. Nove e meia. Dez. Dez e meia. Onze... Nada. O Vicente não passou nem deu a mínima satisfação. O Eduardo teve vontade de esmagá-lo.

 

Na segunda-feira, pela manhã, o Eduardo atende o telefone e uma voz angelical, de uma menina de uns dez anos, anuncia:

 

- Eu sou Natália, sobrinha do Vicente. Ele mandou te comunicar que não foi à sua casa no sábado, porque a mãe dele morreu.

 

- Oh! Lamento profundamente! Por que não me avisaram? Nós somos tão amigos! Eu deveria ter estado lá.

 

- Sim. Meu tio pede desculpas. No dia, ele ficou transtornado, não podendo nem raciocinar direito. Mas você está convidado para a missa de sétimo dia. Será sexta-feira, às 19h, na igreja tal.

 

O Eduardo vai. Só que chega bem atrasado. Percorre toda a igreja e, não vendo nem Vicente nem família, caminha por um dos bancos, para tirar a dúvida com uma conhecida. Ela esclarece:

 

- Hoje é missa para três pessoas, inclusive para a mãe dele sim. - Olha! Vai! Corre! O Vicente e seus familiares estão saindo por aquela porta lateral.

 

- Vai, mas depois volta, sim?

 

Na correria, o Eduardo quase tromba com um antigo colega seu: o Ramon. Os dois haviam trabalhado como pedreiros em uma construtora. O Edu aperta rapidamente a mão dele e promete voltar.  

 

O Eduardo vai, dirige palavras confortantes ao Vicente. Volta e reencontra o Ramon, o qual tira do bolso um “santinho” (o retrato de uma senhora) e entrega ao Edu, que logo pensa: “Oh! Dá pra notar que essa senhora morreu. Mas o que ela será do Ramon? Mãe, tia, esposa, sogra...?” Formula então uma vaga pergunta:

 

- O que foi que aconteceu, Ramon?

 

- Derrame cerebral.

 

“Ai, meu Deus. Deu na mesma. O jeito é manter a calma.”

 

Nisto, o Ramon chama a esposa:

 

- Viu, Aparecida? Amigo é como este. Tinha uns dez anos que a gente não se via, e ele, ciente do ocorrido, veio aqui nos consolar.

 

- Exatamente – concordou ela. Amigo assim tem que conservar. Cadê aqueles seus colegas, que você tanto elogia? Cadê?

 

Aí o Eduardo, para não decepcionar, glorifica o amigo:

 

- Ah, meu caro Ramon, eu não podia faltar. Nós nos tornamos amicíssimos lá naquela obra. Com os outros colegas, de vez em quando, eu até tinha algum atritozinho. Mas, com você, não. Nunca. Aliás, pra mim você sempre foi e será o meu maior amigo. (Emoção.)

 

O Ramon era agora construtor. Havia progredido na vida. E o Eduardo, regredido. Depois da missa, a convite do casal, o Edu vai jantar com eles num luxuoso restaurante. Ao final, o Ramon ainda lhe dá um cartãozinho e o convida para ir almoçar na casa deles, sempre que quiser. Pra quê!? Deu banana a macaco. O Eduardo danou a ir mesmo. Ia, almoçava, tomava banho, jantava, escolhia os programas de televisão, dormia por lá mesmo e, ao sair, ainda levava uma sacola cheia de frutas, colhidas ao quintal.

 

Fazer o quê, né? Amigo assim tem que conservar.

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Diferenças:

Os dois bananas

O troféu para qualquer rapaz era provar que ficara, pelo menos por um instante, com essa, que tinha o destino da lua, que a todos encanta e não é de ninguém.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

30/04/2019

 

A turma do Sinval instrui-o a pegar um atalho, pelo meio da floresta, para driblar o Felipe. Sem saber de nada, a turma do Felipe aconselha-o a ir, por outro trilho, para evitar o Sinval.

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

Vinte de janeiro. Dia de São Sebastião. Festa na roça. Barraquinhas. O local ficava a uns oito quilômetros do centro da cidade. Havia ônibus de hora em hora para lá.

 

Destacando-se na multidão, via-se Bruninha. Que moça linda! Morena, um pouco alta, saia curta, animada, falava o tempo todo. Detalhe: tinha a voz rouquejada, o que lhe conferia mais charme.

 

O troféu para qualquer rapaz era provar que ficara, pelo menos por um instante, com essa, que tinha o destino da lua, que a todos encanta e não é de ninguém. Com o Sinval, não foi diferente. Moço da roça, tradicional, sincero, trabalhador, religioso. (Só um pouco estopim curto.) Também ele se rendeu aos encantos de Bruna.

 

Aproximou-se dela, começaram a conversar... Dali a pouco, estavam abraçadinhos e aos beijinhos. Mas eis que alguém vem atrapalhar. O Felipe cismava que era namorado da Bruna. Por ela, lavaria rapadura, até tirar todo o docinho; descoraria urubu, até ficar branquinho; carregaria água no balaio. Vendo aquela cena, voou contra o Sinval, deu nele um arranco cinematográfico, tirando-o da Bruninha. Um monte de gente entrou para separar. De todo jeito, o Felipe levou um murro no olho.

 

- Mas isso não fica só assim não! - grita o Sinval. Eu vou lá em casa “buscá um negoço bão procê”.

 

E o Felipe:

 

- Deixa comigo. Eu também tenho isso que você tem. E medo não foi feito pra mim não. Veremos qual é o mais valente.

 

A turma do Sinval instrui-o a pegar um atalho, pelo meio da floresta, para driblar o Felipe. Sem saber de nada, a turma do Felipe aconselha-o a ir, por outro trilho, para evitar o Sinval.

 

Eles andam, andam, andam... Ninguém poderia imaginar é que, num determinado ponto, os dois caminhos se cruzavam. Naquela noite enluarada, naquele ermo sertão, os dois valentes se encontram. Assustam-se! Breve se refazem. Param a uns quatro metros um do outro. Nem piscam... Até que o Sinval toma a iniciativa, abre o peito e ruge igual leão:

 

- Atira! Pode me matar. Eu não peguei arma em casa. Vai, descarrega todo o seu ódio em mim.

 

 (Após alguns minutos de silêncio...)

 

- Eu também não fui em casa, também estou desarmado. – informa o seu oponente.

 

 

- Melhor então. Afinal, homem, que é homem, não resolve as coisas na bala. Resolve tudo é no braço. (E vão se aproximando.)

 

O Felipe dá uma pausa, relaxa, acende um cigarrinho... Depois pergunta:

 

- Você está mesmo com raiva de mim?

 

- Sim, quer dizer, não. Você é que está com raiva de mim.

 

- Também não.

 

Numa gargalhada, pulam um no outro, abraçam-se e riem, riem, como nunca na vida. Tudo agora parecia festa.

 

Já na cidade, eles vão para um bar, enchem a cara, cantam até a madrugada. O Felipe, julgando que o Sinval estivesse mais tonto, abraça-se com ele e vai levá-lo em casa. Chegando lá, o Sinval acha que o Felipe é que está pior, e volta, para levá-lo à casa dele. Acaba é eles se desmoronando ali numa pracinha, onde passam o resto da noite. Os dois se tornaram amicíssimos. Jamais se separaram. E nem se lembraram mais daquela tal de Bruninha. 

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Depoimento:

Explosão na delegacia

Estava ela a varrer sua porta, quando avistou, a uns cem metros dali, um acidente.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

22/04/2019

 

Na manhã seguinte, Cecília é chamada à delegacia, a fim de testemunhar o fato. Ela vai, timidamente, visto nunca ter comparecido a um lugar como esse. 

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

A Cecília era uma mulher humilde. Só gostava mesmo de aparecer, quando fosse necessário.

 

Estava ela a varrer sua porta, quando avistou, a uns cem metros dali, um acidente. O Sô Miguel era um pequeno fazendeiro, o qual, apesar de casado com uma mulher honesta e bonita, vivia rodeado de prostitutas, bebendo e gastando com elas. Naquele dia, ele, parecendo estar em seu “estado normal” (embriagado), cruzou de repente a rua, enfiando na frente de uma moto. Foi fatal. “O condutor não teve culpa.” – era o comentário geral.

 

Na manhã seguinte, Cecília é chamada à delegacia, a fim de testemunhar o fato. Ela vai, timidamente, visto nunca ter comparecido a um lugar como esse. 

 

Chegando lá, um funcionário lhe avisa que ela deveria procurar a sala número 11, para falar com o escrivão.

 

Antes de entrar, ela se apresenta a ele:

 

        - Bom dia, senhor! Meu nome é Maria Cecília...

 

        - Entra! Ou você acha que a entrevista vai ser aí fora?

 

Ela entra e permanece de pé em frente a sua mesa.

 

        - Senta, ou você acha que a entrevista vai ser em pé?

 

Ela obedece.

 

        - Você vai testemunhar é sobre o caso do Sr. Rafael, não é?

 

        - Desculpe, senhor, o nome dele é Miguel.

 

        - Ah, sim, Miguel. Miguel Canabrava. Tá aqui na ficha.

 

        - Vamos lá então: nome, ou seja, “cumé qui cê chama”?

 

        - Maria Cecília de Oliveira.

 

        - Endereço, ou seja, “ondé qui cê mora”.

 

        - Rua...

 

        - Agora cê vai contar o que cê viu. Não precisa preocupar com o vocabulário. A redação é minha. Eu ajeito tudo aqui. Fala então, com as suas palavras, o quê que cê viu.

 

E a Cecília, naquela sua simplicidade, relata:

 

        - Vinha o transeunte descrevendo movimentos senoidais pela calçada, quando foi surpreendido pela massa férrea e letal de uma motocicleta, cuja forma reduzida é moto. Veículo implacável, porém, emplacado. O condutor se nos afigurava atilado e cauto, devendo sobre ele recair dó, todavia, não dolo.

 

(EXPLOSÃO DE GARGALHADAS!) Servidores ali presentes não sabiam se riam mais da originalidade do testemunho ou da cara do escrivão, que parecia não ter entendido nada. Ainda ele:

 

        - Putsgrilo! Eu tô é ferrado! A senhora estudou até que série?

 

        - (Silêncio).

 

        - Vamos continuar? O Sô Miguel estava embriagado?

 

        - Da distância, não deu para aquilatar-lhe o bafo, mas posso garantir que ele vinha vacilante pelas ruas.

 

        - Vacilante!? Mais uma boa! Gostei.

 

        - Vacilante, hesitante, instável, incerto, titubeante ou dúbio.

Agora, o escrivão é que fica tonto.

 

A humilde Cecília tinha dois mestrados: um em linguística, outro em filosofia.

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Personagem de rua:

O Louco das Alvoradas

“Dia após dia, sozinho em uma colina. o homem com o sorriso tolo está sentado perfeitamente imóvel...”.

(The Fool on the Hill – Beatles.)

       

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

14/04/2019

 

Sempre na alvorada, ele sai, começa a beijar todas as flores...

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

Nascer do sol. As pessoas, afoitas, absortas em seu labor. Trabalhar, trabalhar, trabalhar, ganhar o pão, poder educar os filhos... Tudo isso, impulsionando-as a buscarem, céleres, as suas conduções, que tornarão o trânsito ainda mais caótico.

 

Um dos ônibus saía do centro, indo até um bairro mais distante. Os trabalhadores iam descendo, de acordo com a conveniência.

 

Numa alvorada, quando o veículo passava por um trecho menos movimentado, uma senhora alertou os passageiros sobre um senhor, de uns sessenta e tantos anos, caminhando, em atitudes suspeitas. Noticiários de tevês não poupam alertas sobre esses tipos perigosos e a urgência de denunciá-los. Não foi desta vez. A viagem prosseguiu.

 

Nova aurora, mesma rotina, mesmo ônibus, mesmos passageiros. Do lado de fora, o mesmo enigmático viandante. Desta feita, a dama promoveu um alvoroço. Temos que fazer alguma coisa!

 

Terceira alvorada. Na mesma estrada, aparece aquele estranho assustador. Apelam ao motorista, pedindo-lhe providências.

 

- Eu não posso largar o volante. Chamem a polícia.

 

Esplêndida alvorada. Polícia! O suspeito é levado, juntamente com aquela turba, que vivia a censurá-lo.

 

- O que aconteceu? Este malandro está perturbando a paz de vocês? – pergunta o delegado.

 

- Sim - respondem em coro.

 

- O que vocês costumam vê-lo fazendo?

 

- Sempre na alvorada, ele sai, começa a beijar todas as flores...

 

- Ele até conversa com elas – completou outro. E todos riram.

 

- Ele abraça as árvores, beija-as... Parece até que ele namora com uma palmeira. (Gargalhadas).

 

(Delegado, a um soldado) - Prenda-o preventivamente! Deve ter mais coisas envolvidas nesta história. Vamos apurar. (Aplausos).

 

Um desconhecido, que tudo ali espreitava, intercede em prol do condenado: 

 

- Senhor delegado, doravante sou advogado desse infeliz. Ouça-me, por gentileza, e, se ao final, vir por bem aprisioná-lo, prenda-me também. Este sonhador, que já foi até apedrejado, eu o conheço bem. Homem honesto, honrado pai de família. Após árduos anos de serviços, alguns deles até prestados à nossa Pátria, aposentou-se e vive a salvar o meio ambiente. Inimigos do ecossistema julgam normal destruir as florestas, trucidar os animais. Todavia, entendem como insano o amor à natureza. Aos olhos dos incautos, ele é um desvairado. Mas quem aqui pode dele apontar um ato sequer, que ofenda as leis ou os bons costumes? Falem! Provem! (Todos calados.) Este incompreendido faz lembrar aquele “louco no monte”, dos Beatles. Aquele que se isolara da sociedade, a qual o repudiava. No entanto, habitava o monte, estando assim num nível mais elevado que o dela. Este nobre que defendo não é propriamente “o louco no monte”. Ele é “o louco das alvoradas”, melhor dizendo, “o sábio das alvoradas”.

 

- Solte-o – determina o delegado. E prenda, pelo menos por um dia, esses malditos acusadores.

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Um encontro:

Quase que ela perde o namorado

Ele se mostrava tremendamente constrangido por não falar português. Era argentino. A valência é que Cíntia possuía, pelo menos, os conhecimentos básicos do espanhol, e pôde ajudá-lo a localizar o hotel que pretendia.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

06/04/2019

 

A Cíntia, no intuito de aquecer mais ainda esta relação, convidou-o para, no dia seguinte, almoçar em sua casa.

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

Cíntia comemorara, na véspera, seus vinte e seis anos. No entanto, um pouquinho tediosa, porque ela não tinha sorte com namorados.

 

Na noite seguinte, solta o pensamento e sai, por uma rua enluarada. Como por mágica, surge à sua frente um jovem encantador, o qual se dirigiu a ela, mais gesticulando que falando:

 

- ¿Puedo... hacerte... una pregunta? ¿Dónde fica...? ¿Dónde está?... No sé como decir...

 

Ele se mostrava tremendamente constrangido por não falar português. Era argentino. A valência é que Cíntia possuía, pelo menos, os conhecimentos básicos do espanhol, e pôde ajudá-lo a localizar o hotel que pretendia.

 

Ele foi a esse hotel, voltou, reencontrou a garota e, enfim, deu namoro. Uau! Jamais se viu tanta reciprocidade: nos olhares, nos beijinhos...

 

A Cíntia, no intuito de aquecer mais ainda esta relação, convidou-o para, no dia seguinte, almoçar em sua casa:

 

- “Pablito, mañana, por vuelta de las onze y media, en mi casa, ¿de acuerdo?”

 

- “Con mucho gusto, Cintia, gracias.”

 

Domingo calmo e azul. Onze e meia. Almoço na mesa. Dona Laura, mãe de Cíntia, andando pra lá e pra cá, curiosa para conhecer o “futuro genro”, com quem a filha até sonhara. E a Cíntia, sentada, roendo as unhas, com medo do muchacho não aparecer.

 

Campainha toca. É ele. Chegou com meia hora de atraso.

 

Findo o ritual das apresentações, vão desfrutar os prazeres da mesa. O convidado come, bebe e, ao final, dirige-se à sogra assim:

 

- ¡Está exquisita su comida! ¡Muy exquisita!

 

A boa senhora fecha uma cara, vai lá pra cozinha, chora, chora, até não ter mais lágrimas. Não volta à sala nem pra se despedir.

 

Logo depois que o visitante foi embora, a mãe, nervosíssima, chama a filha na conversa:

 

- Que moço sem educação esse que você me traz! Eu faço a comida pra ele com o maior carinho, e ele fala que a minha comida tá esquisita. Esquisito é o nariz dele! Com esse, eu não deixo você namorar! Cafajeste como esse não entra mais nesta casa!

 

Cíntia tenta de todo modo explicar:

 

- Não é isto, mamãe. A senhora entendeu mal.

 

- Ah, tá me chamando de surda? Eu ouvi muito bem, tá?

 

- Acalme-se, mamãe, acalme-se! Vou mostrar para a senhora.

 

Sai Cíntia e volta com um dicionário espanhol na mão.

 

- Olha aqui, mamãe, “Exquisita”, em espanhol, não é esquisita, como em português. Quer dizer agradável, muito boa, deliciosa.

 

– Ah, meu Deus! Que ignorância a minha! Ele estava era elogiando... Na verdade, ele é muito educado. Pode namorar com ele.

 

Abraçam-se calorosamente. A mãe ainda tira esta conclusão:

 

- Agora é que eu vi o quanto as pessoas sofrem por ignorância.

 

- Não diga assim, mamãe. Todos nós, em alguns pontos, somos ignorantes mesmo. Mas quanta sabedoria a senhora já nos passou!

 

QUATRO ANOS DEPOIS...

 

Cíntia e Pablito já têm uma menina de três anos, a Carmencita, e um menino de um, o Ramoncito. Um casamento “muy exquisito”.

 

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

*  *  *

 

Educação:

O Terceiro Round

Hora do recreio. Professoras famintas: de um salário mais digno, de melhores condições de trabalho, de alimento. Sentam-se em volta da mesa. A cantineira, sorridente, vem trazendo a refeição.

 

Por A. Sérgio*

De Sarzedo-MG

Para Via Fanzine

29/03/2019

 

O ringue já está montado. Vai começar a grande luta. Você não pode perder este momento de emoção!

Leia também:

Outros destaques em Via Fanzine

 

Numa escola, professoras, diretoras, sempre se desabafando: “Estes alunos de hoje são indisciplinados demais; eles não têm limite.” Como sempre, todas, empenhadas em aprimorar a disciplina, para uma educação melhor, para um Brasil melhor. (Um momento. Estou ouvindo no rádio da vizinha aquela canção da Legião Urbana, “Será só imaginação...”). Desculpem. Eu gosto bastante dessa música.

 

Hora do recreio. Professoras famintas: de um salário mais digno, de melhores condições de trabalho, de alimento.

 

Sentam-se em volta da mesa. A cantineira, sorridente, vem trazendo a refeição.

 

(E atenção! O ringue já está montado. Vai começar a grande luta. Você não pode perder este momento de emoção!)

 

Entre uma garfada e outra, a professora A revela espontaneamente:

 

- Meu prato predileto é frango com quiabo.

 

A professora B rebate veemente:

        

- Quê?! Frango com quiabo?! Cê tá é doida.

        

(Inicia-se o combate!)

        

- Uai, mas eu gosto e cabô. A propósito, cê gosta é de quê?

        

- Ah, meu prato predileto e o da minha mãe é taioba com angu.

        

- Ocê é que tá doida. Onde já se viu uma comida desta?

        

- A sua é que não presta: “frango com quiabo, ih! que nojo!”

        

- Isto é porque você não sabe fazer frango.

        

(Esse foi um direto de direita. Deu pra bambear. Atingiu a feminilidade da mestra. Mulher que se preza tem que saber cozinhar.)

        

Início do segundo round. Está 10 a 9 pra professora A.

        

- Eu não sei fazer frango? Fique sabendo que eu aprendi a fazer frango foi com a minha avó, a Dona Dolores, simplesmente a melhor cozinheira da região. Acumula prêmios internacionais. Tá satisfeita agora?

        

(Com esse cruzado de esquerda, atingindo o supercílio da adversária, termina o segundo round. Desta vez, 10 a 9 pra professora B. Até agora, empatado.)

        

- Então você não sabe é fazer o quiabo – insiste a professora A.

        

- Você se acha melhor do que todo mundo, não é? Mal-amada!

        

- Ah, cê quer saber a verdade? Angu com taioba é comida de porco.

        

(Foi um upper, a que nem os grandes lutadores resistiriam. Lona.)

        

Nisto, um professor ainda entra na confusão:

        

- Todas duas estão erradas. O melhor prato mesmo é pão molhado no feijão.

        

(Juntam-se as duas para bater nele.)

        

Um terceiro round violentíssimo. Entretanto, foram todos salvos pelo gongo: deu o sinal escolar, indicando que acabara o recreio.

        

Enfim, quem ganhou? Ninguém. Todos perderam. A escola perdeu. A educação brasileira perdeu. Não é “só imaginação”. Lamentavelmente, esse fato ocorreu numa escola. Tanta picuinha, tanta briga por causa de nada, e os grandes projetos dormindo nas gavetas.

        

E os alunos, hein? Eles, que eram tidos como indisciplinados.

  

*A. Sérgio é professor de português/inglês/literatura; tradutor; revisor. Escreve contos, crônicas, poesias; compõe músicas. Gosta de pessoas, plantas e animais. É colaborador de Via Fanzine, desde sua fundação, em 1994.

 

- Foto: Divulgação.

 

 

Ir para a página principal

AEROVIA ARQUEOLOVIA ASTROVIA DORNAS DIGITAL ITAÚNA FANZINE J.A. FONSECA UFOVIA VIA FANZINE

          

© Copyright, Pepe Arte Viva Ltda.

Motigo Webstats - Free web site statistics Personal homepage website counter