UFOVIA - ANO 5 

   Via Fanzine   

 

 

 sondas extraterrestres - pesquisa

 

 

Repertório de casos:

A ‘Mãe do Ouro’ em Minas Gerais

As instigantes luzes que vagam pela noite são registradas comumente

nos arredores de uma majestosa serra na cidade mineira de Itaúna.

 

Por Pepe CHAVES*

Itaúna-MG

Para VF/UFOVIA

Junho/2004

 

Bola de Cristal - complexo modelo de sonda esférica transparente,

detalhadamente narrado por uma testemunha a esse autor.

Este objeto teria menos de 30cm de diâmetro.

 

LUZ INEXPLICÁVEL - Durante quatro anos (dois em campo) pudemos pesquisar – e presenciar - alguns dos inúmeros casos de avistamentos luminosos em Itaúna/MG. São várias testemunhas de ocorrências diversas onde figuram “bolas de luz” ou “de fogo” e “luzes”.

A estes avistamentos de pequenos objetos luminosos os ruralistas mineiros denominam de “Mãe do Ouro”. Trata-se de uma esfera luminosa de diâmetro pequeno, mormente vista em regiões ermas e rurais. Na maioria dos casos o objeto flutua a poucos metros do solo, mas pode também tomar alturas incríveis.

Geralmente são da cor amarelo-dourada, daí a sua associação com o ouro. No Brasil este fenômeno já foi registrado por pesquisadores, em diversos estados, sendo mais comum no sudeste, norte e nordeste do país.

Pudemos observar que o avistamento da Mãe do Ouro é mais comum nas zonas rurais ou ermas; raros são os casos de aparecimento destes “objetos luminosos” no meio urbano. Porém, a regra cai por terra ao constatarmos fato acontecido em São Paulo e filmado nitidamente à época, por um garoto de 11 anos, em Capão Redondo, no ano de 1998.

 

Muitos pesquisadores da ufologia acreditam que a Mãe do Ouro seja uma espécie de “sonda” enviada por civilizações desconhecidas que poderiam ser extraterrestres ou intraterrestres. Existe também a hipótese de que estes objetos sejam engenhos tecnológicos e secretos inseridos em certas regiões por nações mais avançadas, com o intuito de espionar terrenos ricos em mananciais, minerais e outros. Sendo assim, tais sondas funcionariam como uma espécie de câmera ambulante, como se fosse um “olho eletrônico”, teleguiado, que buscaria registros e informações sobre o homem e a natureza, além de amostras de territórios, vegetação, água, ar, insetos e minerais terrestres.

 

Sonda do tipo "lanterna", presenciada por este autor.

Geralmente chamada de Mãe do Ouro pelas populações rurais

Possi luminosidade fosca dourada e mede cerca de 15 cm.

EXPERIÊNCIA PESSOAL - Este escriba mesmo, em 1996, já presenciou a evolução de um objeto desses, que o seguiu por cerca de 200 metros, a uns 150 metros em paralelo comigo. A “Mãe do Ouro” que vi e me seguiu se apresentou como uma esfera de luz com cerca de 15 cm. Eu a avistei entre os bairros Morada Nova e Cidade Nova, em Itaúna, quando havia apenas uma trilha no meio do mato e que ligava esses dois bairros.

Eram por volta de 23 h, possivelmente em dia de julho. Ao ver aquela luz meio dourada e fraca, julguei ser a lanterna de alguém pescando no pequeno lago, poucos metros adiante, bem no meu caminho. Segui minha rota, temendo ser alguém que estivesse ali com alguma arma. Porém, ao me “ver”, a luz diminuía e aumentava sua intensidade, ficando mais fraca quando se distanciou de mim.

 

Não pude ver seu movimento de distanciamento, mas sem dúvida, deve ter sido incrivelmente rápido, pois, quando cheguei no local em que ela se encontrava, a avistei brilhando a uns 150-200 metros, num pasto ao lado, com uma intensidade baixíssima, quase invisível aos meus olhos. Ela se alinhou paralelamente a mim, e me seguiu até que eu entrasse nas ao abrigo das luzes da cidade. Senti uma vontade enorme de atravessar aquele pasto e ir ao seu encontro, no entanto, armava uma forte chuva e já caíam as primeiras gotas, o que me desestimulou. Nesta noite caiu uma tempestade em Itaúna como ninguém nunca vira antes! Trovões fortíssimos foram ouvidos durante toda a madrugada, com uma incrível sensação de que aconteciam explosões bem acima de nossas cabeças... Após este ocorrido, me interessei pelo assunto e me enveredei na pesquisa sobre estes pequenos objetos.

 

DENTRO DE CASA - Através de muita pesquisa, lendo materiais especializados no assunto e colhendo relatos posteriores, vi que estes objetos variam de forma, tamanho, cor e função. Houve um caso notório na década de 40 na cidade de São Roque, onde uma esfera de luz entrou pela janela de uma casa e matou um cidadão, João Prestes. Este caso foi devidamente pesquisado pelo ufólogo Cláudio Tsuyoshi Suenaga, que décadas depois, esteve em São Roque e remontou a história com familiares do falecido Prestes. Naquele caso, ficou patente a “queimadura” que vitimou Prestes, de forma anormal, o que se faz crer que tais “queimaduras” tenham sido causadas por liberação de algum elemento radioativo.

 

Na região da zona rural da cidade de Itatiaiuçu, próxima Itaúna, uma família passou por terríveis experiências com uma dessas bolas iluminadas que, costumeiramente, adentrava a sua residência. Segundo nos foi relatado por um parente das vítimas, o estranho objeto, por vezes,  adentrou a casa e percorreu todos os cômodos, deixando os moradores em polvorosa, restando-lhes como única alternativa, se esconderem debaixo das camas.

 

'Eles ficaram impressionados com aquilo,

sobretudo o vigia da prefeitura, que naquela

noite se trancou de medo num dos cômodos

da granja e não saiu mais para fora.'

 

 Detalhe da Mata da Onça em aquarela de Gláucio Bustamante

 

MATA DA ONÇA - No município de Itaúna, no centro-oeste mineiro, contam-se diversos causos e casos, envolvendo tais esferas luminosas, geralmente à noite e em localidades rurais. O  local com maior índice de avistamento de “luzes não identificadas” se dá na conhecida Serra Mata da Onça, que se localiza atrás da Granja Escola “São José”, uma fazenda-escola de propriedade da Prefeitura de Itaúna e local de estudo para menores carentes.

 

A serra dista cerca de 3 km do centro de Itaúna e suas “luzes” já foram avistadas também por pessoas de bairros distantes que, algumas vezes, puderam observar os estranhos fenômenos que ocorrem naquele local.

 

Desde os anos 40 (e, certamente, anteriormente a isso) são avistadas luzes naquelas cercanias, que vagueiam pela noite, impressionando sempre pessoas que as avistam, sobretudo por se tratarem de algo peculiar e inexplicável cientificamente.  Pude conversar com várias testemunhas de avistamentos naquela região, as quais, em épocas distintas, puderam observar de alguma forma as evoluções destes prováveis pequenos ufos. Também distintas são tais testemunhas, pois variam de sexo, idade, crença religiosa e grau de instrução. Algo nos faz crer que aquela imponente serra rochosa guarda segredos invulneráveis e ainda incompreensíveis àqueles que a cercam.

 

Um caso que merece destaque, sobretudo por envolver testemunhas idôneas, aconteceu com Maria do Carmo, esposa de Antônio, atual caseiro da Granja Escola da prefeitura. Ela nos conta que em agosto de 2000, juntamente com o vigia da prefeitura, Ronaldo, pôde observar a evolução de uma esfera de luz, do tamanho de uma bola de basquete, que segundo ela mudava de cor e se movimentava nas dependências da fazenda municipal. Ela brilhava e voava, porém, quando se encontrava em um lugar, desaparecia, reaparecendo instantaneamente em outro local distante daquele. Eles ficaram impressionados com aquilo, sobretudo o vigia da prefeitura, que naquela noite se trancou de medo num dos cômodos da granja e não saiu mais para fora. Ligamos para ele em serviço e prontamente o funcionário municipal corroborou todo o extenso depoimento que Dona Maria do Carmo havia nos concedido pouco antes, afirmando-nos o seu temor daquela visão.

 

FAJARDO: 'Este lugar não é muito bento não'. Ele presenciou diversos casos

de avistamento da Mãe do Ouro na Mata da Onça, quando era interno da Granja

Escola nos anos 50 e posteriormente. Segundo ele, ocorrem ali casos de assombração

também, como o do estranho e notório 'pássaro' que 'canta' no pé das pessoas e

em menos de um segundo 'canta'  há centenas de metros de distância.

 

Ex-funcionário da granja-escola (hoje porteiro da Prefeitura de Itaúna) e antigo interno daquele local quando criança e adolescente, nas décadas de 40 e 50, o Sr. Fajardo – hoje porteiro da prefeitura - nos prestou depoimento em 2000, dizendo ser comum a passagem da Mãe do Ouro por ali, quase que em todas as tardes.

 

 

Fajardo

Ele nos contou que no final dos anos 40, quando residia naquele local juntamente com seus colegas e o senhor Luís, responsável pelos internos, pôde presenciar por inúmeras vezes a passagem da estranha luz a que todos chamavam de Mãe do Ouro. Fajardo nos contou também alguns interessantes casos acontecidos naquelas épocas, com ele e com terceiros naquela região.

Alguns deles se assemelham bastante a casos de assombrações, porém, dentro de uma visão mais objetiva, podemos supor que tais manifestações possam se tratar de alguma espécie de contato das testemunhas com uma tecnologia altamente evoluída e incompreensível para eles.

 

Um desses casos inclui a incrível transmutação de um animal, presenciada por uma colega de Fajardo, fato que, segundo o narrador, impressionou tanto a vítima a ponto de causar-lhe perpétuas seqüelas de perturbações mentais posteriormente.  Segundo Fajardo, ali ocorre casos de assombração também, como um presenciado por ele, por vezes: o estranho pássaro que 'pia' no pé das pessoas e, em menos de um segundo, 'pia'  há centenas de metros de distancia. "Este lugar não é muito bento não", nos afirmou, referindo-se à Mata da Onça.

 

 OBJETO INSTIGANTE - O mistério destas luzes errantes ainda está longe de ser desvendado pela ciência ortodoxa, que prefere ignorar tais fatos - mesmo havendo imagens autênticas comprovando a existência desses objetos - do que procurar dar a eles uma explicação sensata. Para nós, que estudamos já há alguns anos tais ocorrências, acreditamos que a possibilidade mais provável é a de que se tratem mesmo de objetos oriundos de alguma(s) civilização(ões) mais evoluída(s) que, por alguma razão, estaria a sondar o nosso mundo. Em nossas pesquisas de campo, pudemos constatar que os locais de avistamento destas “luzes” são geralmente as áreas rurais ligadas à natureza latente, tais como, serras, pastos, riachos, rios e pedreiras (principalmente). Constatamos também que alguns destes aparatos provavelmente dispõem de recursos quânticos - ou o que o valha -, os quais, permitem que desapareçam em certos locais, para se materializarem instantaneamente em outros, a longa distância.

 

 O certo é que as bolas de luz avistadas pelos sertanistas e comumente chamadas de Mãe do Ouro são partes integrantes de um mistério que carece de mínimas explicações racionais por parte das nossas ciências ortodoxas.

 

J.A. Fonseca fala de sondas e "luzes"

 

Entrevista concedida a Pepe Chaves*

 

TEÚRGICO OPINA -  Para o pesquisador de fatos insólitos, o teúrgico itaunense José Augusto da Fonseca, deve existir naquela região alguma espécie de fonte energética, ainda desconhecida para nós, a qual atrairia até ali (ou projetaria em nosso mundo) por algum motivo, tais “objetos”.

 

Afastado da Ufologia, Fonseca ainda detém um vasto acervo ufológico e um profundo interesse por assuntos de natureza desconhecida. Ele nos concedeu entrevista abordando, à sua ótica, esta questão da “Mãe do Ouro” e demais manifestações luminosas.

                                                                                                                              J. A. Fonseca_

Ufovia: O senhor já teve a oportunidade de observar a “Mãe do Ouro” ou “luz misteriosa”?

JAF: O fenômeno da “luz misteriosa” como contado por várias testemunhas, não presenciei ainda. Porém, já avistei outros tipos de luzes diferentes e “objetos estranhos” de formas não convencionais.

 

Ufovia: Para o senhor, estes objetos são sondas de outras civilizações, ou fenômenos ainda não estudados da natureza terrestre?

JAF: Não podemos afirmar, definitivamente, o que são essas luzes, se se tratam de sondas de outras civilizações. Existem muitos relatos a respeito, que durante a Segunda Guerra Mundial, foram avistados pelos pilotos, tanto os aliados quanto os alemães, luzes estranhas no céu. Algumas delas entravam pela fuselagem do avião e se retiravam sem causar quaisquer estragos. Quanto a estas avistadas em terra, especialmente em áreas mais desertas, acreditamos tratar-se de reflexos do mudo paralelo, originando então de plantas e minerais, especialmente os nobres. Minha avó e minhas tias relataram ter visto a “mãe do ouro”, uma bola de fogo amarelo brilhante que circulava pelas montanhas, próximo a sua residência, na região hoje conhecida como bairro Belvedere, aqui em Itaúna.

 

Ufovia: De onde elas poderiam vir e quais seriam as suas funções?

JAF: Considerando que se tratem de sondas originadas de centros ou civilizações mais desenvolvidas, elas poderiam ter a função de fazer levantamentos e “espionagem” sobre algum tipo de mineral, vegetal, ou elemento da natureza que lhes fossem de interesse. Se se tratassem de reflexos dos mundos paralelos, não seriam nada mais do que aspectos vitais, perfeitamente evidentes e perceptíveis destes “seres” ou “Devas” que habitam os diversos reinos da natureza. Quando o ser humano destrói o seu meio ambiente com queimadas, por exemplo, logo a seguir u’a mão invisível começa a distribuir uma pequena flor ali, ora uma pequena vegetação acolá e em pouco tempo, tudo está verdejando novamente. Quem seria o responsável por esta restauração?

 

Ufovia: Considerando que sejam equipamentos de alta tecnologia, estas sondas poderiam atacar as pessoas?

JAF: Acreditamos que determinadas tecnologias podem produzir conseqüências danosas para os seres humanos ou animais, e até mesmo para todo o meio ambiente. Entretanto, não conheço casos em que elas tenham causado algum mal a não ser, muito medo e surpresa para quem as presencia.

 

Ufovia: Numa pesquisa que fizemos na região rural, duas testemunhas narraram sobre uma certa luz verde que se aproxima das pessoas. O poderia ser tal luz?

JAF: Não tinha o conhecimento de qualquer relato sobre o aparecimento desta luz verde. Posso afirmar, entretanto, que existem determinados seres elementais do reino vegetal que refletem luzes esverdeadas brilhantes e podem aproximar-se das pessoas. É importante que reflitamos sobre o momento especialmente crítico que a humanidade está atravessando. Estamos vivendo um tempo em que diversas ocorrências, a nível psíquico no ser humano e no plano etérico planetário estão se tornando mais intensos, podendo ocasionar tais aparições, além de muitos outros acontecimentos de caráter independente.

 

Ufovia: Considerando que sejam ‘aparatos eletrônicos’, como eles seriam colocados em ação?

JAF: Não podemos avaliar uma tecnologia que no momento ultrapassa nosso poder de compreensão. No entanto, o que não devemos fazer em relação a tais fatos, é simplesmente ignorá-los ou ‘fingir’ que não existem. Artur C. Clarke disse num de seus livros: “Toda tecnologia superior pode nos parecer magia”. Acrescentamos que tudo aquilo que é misterioso, passa a ser considerado inverídico pelas pessoas, ou torna-se envolvido por uma aura de excessivo tom místico.

 

Ufovia: As “luzes” observadas há décadas passadas poderiam ser as mesmas observadas mais recentemente?

JAF: Acreditamos que o tempo possui conotações bem variadas em relação aos estágios de evolução que existem no Universo. Séculos para nós, nada representam em outras esferas de desenvolvimento, enquanto que algumas horas para determinados seres vivos significam um tempo relativamente extenso. Portanto, as “luzes”, sejam de que natureza for podem muito bem ser de uma mesma origem e representam, através de sua cor, aspectos novos de sua atividade. Sabe-se que através de uma luz pode se conseguir muitos aprimoramentos, sendo cada tonalidade um de seus aspectos, mais ou menos avançados. Em suma, a luz em si, ainda é um dos fenômenos muito pouco compreendidos pela nossa ciência.

 

Ufovia: O fenômeno pode ocorrer também no meio urbano?

JAF: Sua incidência também se dá no meio urbano, mas é muito raro. Acreditamos que nas cidades não existam os elementos que eles procuram ou a harmonia que pode ser encontrada nas matas e lugares mais ermos. As cidades encontram-se muito sobrecarregadas de ‘formas-pensamentos’ de caráter demasiadamente densos.

 

Ufovia: Há incidências destas luzes durante o dia?

JAF: Sim. Conheço casos de aparecimentos das chamadas “Mães do Ouro” durante o dia. Elas não têm hora para se manifestarem.

 

Ufovia: Existe condição de se capturar um objeto luminoso destes?

JAF: Não conheço nenhum caso a respeito. Focalizaremos que, seja lá o que for, trata-se de “luzes” e não conhecemos nenhum meio que nos permitiria aprisionar uma luz em movimento.

 

Ufovia: Para o senhor, por que a serra da Mata da Onça em Itaúna, se mostra um ponto latente de avistamentos da Mãe do Ouro?

JAF: É bem provável que ali se encontre algum manancial importante para estas luzes, ou que haja alguma fonte desconhecida de energia naquela região. Alguns locais sobre a Terra são especialmente interessantes e apesar de nossa tecnologia, suas potencialidades não podem ser ainda conhecidas por inteiro. Encontram-se preservadas para o futuro. Apesar do egocentrismo vaidoso que envolve a raça humana em relação à sua técnica e seu conhecimento, ainda existem muitas coisas a serem conhecidas.

 

Ufovia: Se existe uma sonda terráquea andando em Marte, estas “luzes” não poderiam ser equipamentos criados pelo próprio homem?

JAF: Não acreditamos nesta possibilidade, uma vez que elas aparecem na Terra desde que o homem elevou-se e passou a andar com os dois pés, na sua posição vertical, iniciando sua evolução como ser pensante.

 

Ufovia: Nos deixe suas considerações finais acerca do assunto:

JAF: O que mais gostaríamos de acrescentar, é que não devemos deixar-nos impressionar por estas coisas, excessivamente. Encontramo-nos ainda engatinhando em nossas possibilidades de alcançar outros planetas e mal conhecemos a nossa própria vida na Terra e o próprio meio, no qual vivemos. Existem mundos paralelos à nossa volta que um dia serão conhecidos. Hoje, apesar do grande conhecimento alcançado pelo ser humano, muitos ainda insistem em sorrir e zombar destas coisas, talvez querendo ocultar sua própria capacidade de compreendê-las. Podemos afirmar que a história está repleta de grandes nomes, teimosos, pertinazes, que foram ridicularizados em sua época por suas idéias avançadas e hoje são consagrados pela humanidade. Quando Colombo pretendeu sair em alto mar para encontrar a América, ele foi considerado um visionário pelos intelectuais e religiosos de sua época, afirmavam ser a Terra plana e que o mar se despencava numa grande cachoeira. Muitos cientistas foram considerados loucos e muitos descobridores e inventores foram abandonados às suas “fantasias”. Temos ainda um longo caminho a seguir. A humanidade contemporânea não aprendeu ainda a viver a paz e a dividir suas conquistas irmanamente com todos os povos... Ainda se arma e se mata com a mesma selvageria dos tempos primitivos... A humanidade, não pode, portanto, considerar-se detentora de nenhum saber verdadeiro em relação à VIDA, se ela faz derramar o sangue inocente e se uma grande parte dela encontra-se em estado lastimável de miséria material e moral plenas. Entendemos que a superioridade de uma raça não se encontra em sua tecnologia e em seu poder de matar e destruir, mas na sua condição humanística de conciliar a ciência com o saber místico que se perdeu na noite dos tempos.

 

   

*Pepe Chaves é editor de Via Fanzine e UFOVIA.

   

Fontes:

 

Pesquisa do autor na fonte. Relatos verbais colhidos de testemunhas de avistamentos luminosos na região da Mata da Onça, Itaúna-MG.

  

Fotografias:

 

Sr. Fajardo, funcionário da Prefeitura de Itaúna e testemunha de diversos avistamentos da mãe do ouro na região da serra Mata da Onça (Credito da foto: Prefeitura de Itaúna).

 

J.A. Fonseca, ex-ufólogo e estudioso teúrgico, entrevistado na matéria. (Crédito da foto: Arquivo Via Fanzine):

 

Vista ampla da Serra Mata da Onça (Crédito da foto: Aquarela de Gláucio Bustamante):

 

Ilustração, por Fábio Vieira:

Alien & sonda – Ícone, na página anterior.

 

Ilustração, por Gláucio Bustamante:

Mata da Onça - Aquarela mostrando detalhe da serra Mata da Onça.

 

Ilustrações, por Pepe Chaves:

Bola de Cristal - complexo modelo de sonda esférica transparente, detalhadamente narrado por uma testemunha a esse autor.

Sonda do tipo "lanterna" - presenciada in loco por este autor. Também chamada de Mãe do Ouro, por sua luz dourada.

 

Produção: Pepe Chaves.

Itaúna-MG, Brasil, 2004.

© Copyright, Pepe Arte Viva Ltda

 

Leia mais sobre J.A. Fonseca:

www.viafanzine.jor.br/fonseca

 

 

 

 

 

  UFOVIA - ANO 5 

   Via Fanzine   

 

 Produced in Brazil - © Copyright, Pepe Arte Viva Ltda. Reservados todos os direitos dos autores e produtores.  All rights reserved©

Motigo Webstats - Free web site statistics Personal homepage website counter