ARQUEOLOVIA ASTROVIA DORNAS ITAÚNA J.A. FONSECA SÃO TOMÉ UFOVIA VIA FANZINE           

 

 

 ENTREVISTA

   

Entrevista com Tomé Alvarenga

Prefeito Municipal de São Tomé das Letras-MG

 

Por Pepe Chaves*

JORNAL SÃO TOMÉ ONLINE

08/12/2018

 

Tomé Alvarenga, comerciante e prefeito de São Tomé das Letras.

Leia também:

Outros destaques em Jornal São Tomé Online

Outros destaques em Via Fanzine

 

Tomé Alvarenga (MDB) assumiu a Prefeitura de São Tomé das Letras após o afastamento da prefeita Marisa Maciel de Souza (PT), pela Câmara Municipal. De súbito, o então vice-prefeito – que é comerciante na cidade – se viu obrigado a assumir mais de meio mandato no Executivo Municipal. E desde então, para ele tem sido uma árdua luta manter funcionando os serviços públicos essenciais, a folha de pagamento e os fornecedores, entre outras obrigações municipais. Sua posse foi marcada também pelo período de agravamento no repasse de verbas do governo do Estado aos municípios, o que causou uma situação caótica em todo o Estado de Minas Gerais. Nesta entrevista, Tomé Alvarenga nos fala de algumas das realizações e dificuldades que tem enfrentado como prefeito, como o tão falado Concurso Público Municipal; sobre as condições das estradas rurais nas chuvas; sobre a relação de sua administração com a população rural do município; sobre as demissões e cortes de gastos em sua gestão; da falta que têm feito as verbas estaduais; dos vários melhoramentos que conseguiu promover, embora enfrentando muitas dificuldades, além de outros pontos de sua gestão.

 

Jornal São Tomé Online – Caro prefeito Alvarenga, por que houve uma retificação no edital do Concurso Público Municipal, alterando as datas de inscrições para entre janeiro e fevereiro de 2019 e as provas para 31 de março?

Tomé Alvarenga: Todo edital de concurso público tem de ser submetido à análise do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais que, dentro de sua competência sugere alterações, que no caso foram acatadas pelo Município. Daí surgiu a necessidade da primeira retificação.

 

Jornal São Tomé Online – Quais têm sido as reclamações mais comuns acerca desse tão falado concurso municipal?

Tomé Alvarenga – Sobre o edital - depois de publicado - não recebi reclamações. As reclamações estavam acontecendo antes, na fase de elaboração, em razão da demora. Ocorre que a demora, na minha gestão, se deu pelo extenso trabalho que tem que ser realizado para viabilizar elaboração de edital: levantamento, alterações, confecção e aprovação de leis, por exemplo. Tudo isso demandou tempo. Então, acho que nessa época, as pessoas começaram a achar que nós também não iríamos tornar o concurso público uma realidade. Mas, Graças à Deus, a coisa caminhou e tá dando certo.

 

Jornal São Tomé Online – Qual é a expectativa da Prefeitura com relação às pessoas de fora que deverão vir aqui fazer as provas para o concurso?

Tomé Alvarenga – Nós torcemos para que as pessoas de fora que venham fazer o concurso público sejam pessoas dispostas a trabalhar com dedicação, empenho e amor por nossa cidade, como fazem há muitos anos os cidadãos letrenses.

 

Jornal São Tomé Online – Ainda sobre o concurso, qual é a melhor via para as pessoas se informarem ou tirar dúvidas a respeito?

Tomé Alvarenga – Eu acredito que a melhor via é pessoalmente, na sede da Prefeitura. Palavras ditas são mais claras que as escritas.

 

Jornal São Tomé Online – Em suma, o que o senhor poderia dizer à população e aos inscritos no concurso municipal, no que se refere à sua organização e realização?

Tomé Alvarenga – O que eu posso dizer é que todo e qualquer cidadão que deseja fazer parte do quadro de servidores do nosso Município pode estar certo que o concurso está sendo realizado dentro da legalidade, com acompanhamento dos órgãos fiscalizadores como Tribunal de Contas, Ministério Público e Câmara Municipal. Portanto, é um processo transparente e dentro da legalidade, realizado por empresa especializada, vencedora de licitação.

 

Jornal São Tomé Online – Como se sabe, atendendo medida judicial a Prefeitura foi obrigada a demitir parte do funcionalismo público e instituir o dito concurso municipal. Quantas pessoas hoje trabalham na Prefeitura após as dispensas, e qual é o total de cargos de nossa máquina pública atual?

Tomé Alvarenga – Eu quero deixar claro que a ordem judicial não foi proferida no tempo que estou como prefeito. O que nós fizemos foi apenas negociar e tratar de cumpri-la, no intuito de evitar problemas e prejuízos para o Município e estando sempre dentro da legalidade. Hoje, nós estamos trabalhando com 292 servidores.

 

Jornal São Tomé Online – Como tem sido para o senhor, assumir um mandato que não era seu e lidar com tantos problemas nas distintas áreas administrativas do município?

Tomé Alvarenga – O mandato não era meu, é verdade. Eu me candidatei e fui eleito vice-prefeito. Como vice-prefeito, eu já trabalhava bastante, porém com atuação limitada aos departamentos de infraestrutura. Desde que me vi na condição de Prefeito, tenho trabalhado muito mais e me dedicado a aprender sobre todas as áreas, para que eu possa fazer uma gestão eficiente. Mas o que pauta meu trabalho são mesmo os princípios que aprendi em casa e que têm me servido pela vida afora. Inclusive, agora, na condição passageira de Prefeito: simplicidade, autenticidade, coragem, honestidade e muito trabalho. Sou do tipo que gosta de ver as coisas resolvidas, não tenho preguiça de trabalhar e de descascar os abacaxis. Mesmo que não tenha sido eu que os tenha plantado... (risos). Por exemplo, essa questão do concurso vem sendo exigida do Município há décadas e nós tivemos coragem de enfrentá-la e resolvê-la, sem pretextos ou desculpas protelatórias. A questão da falta de repasse pelo Governo Estadual, que acarretou nessa crise financeira do Município: eu não dei nenhum motivo pra que isso viesse acontecer, mas estou enfrentando a situação com a cabeça erguida, tentando fazer o melhor para nossa cidade e tenho certeza que poderíamos estar muito pior do que estamos se nós não tivéssemos tomado várias atitudes, que tomamos.

 

Jornal São Tomé Online – Ainda falando em problemas do município, temos visto as constantes queixas sobre a má condição das vias rurais em tempos de chuva. O que tem sido feito pelo Executivo local no sentido de melhorar ou sanar tal situação?

Tomé Alvarenga – Você viu as queixas a vida inteira, elas são constantes – como você mesmo disse. Isso porque São Tomé tem uma malha muito extensa de estradas vicinais, o que torna praticamente impossível – diante de nossas condições financeiras habituais, ou seja, mesmo quando o Município não estava em situação de calamidade financeira, com a arrecadação que temos, não é possível trazer todas as estradas permanentemente em excelentes condições de uso. Agora, então, que estamos com as atividades de manutenção suspensas, em razão do Decreto, está ainda mais difícil mantê-las em boas condições. Porém, nunca deixamos de empenhar nessa tarefa. Mesmo com todas as dificuldades do momento trabalhamos vários finais de semana e nas situações de emergências para diminuir as dificuldades dos habitantes e turistas que utilizam nossas estradas de terra.

 

Jornal São Tomé Online – O que as populações rurais podem esperar de sua Administração, no tocante aos benefícios e melhoramentos nestas regiões suburbanas?

Tomé Alvarenga – Eu sou da zona rural, eu sei o que essas pessoas passam e do que elas precisam. Eu jamais deixaria a população rural em segundo plano. Tão logo nós consigamos passar essa fase difícil – e eu acredito em dias melhores, em breve – nós poderemos executar nossos projetos e sonhos que são muitos e que, com certeza incluem a zona rural do nosso Município – que é a nossa essência. Essa semana chegaram 21 mata-burros para serem instalados nas estradas rurais e chegadas de propriedades. Mantemos o convênio com a Emater para assim darmos um suporte técnico ao produtor rural, estamos empenhando para conseguir mais duas pontes de concreto.  

 

Jornal São Tomé Online – Estamos testemunhando a situação caótica enfrentada pelos municípios mineiros, que deixaram de receber os repasses de verbas pelo Governo do Estado. Qual o valor pendente destes recursos para a nossa cidade, e o que tem acarretado sua falta à Administração Municipal?

Tomé Alvarenga – Hoje, a dívida do Estado com o nosso Município está em R$2.309.600,85. Isso deixou nosso Município simplesmente, em situação caótica. Ora, parcelar vencimento de servidor é uma medida extrema, que nenhum prefeito gostaria de fazer na vida. Afeta a dignidade do trabalhador, a economia da cidade... Se nós chegamos nesse extremo, você pode imaginar a falta que faz as transferências. Ainda conseguimos pagar parcialmente, porque há alguns meses tomei algumas medidas de economia, que acabaram ajudando bastante. Estamos tomando outras tantas e vamos nos equilibrando, confiando que essa tempestade passe logo e que possamos colocar em prática nossos projetos.

 

Jornal São Tomé Online – Existe alguma previsão por parte do Governo do Estado para liberar os recursos retidos aos municípios? O que o senhor pode nos informar sobre esta situação?

Tomé Alvarenga – Não existe previsão. Temos atuado permanentemente junto à Associação Mineira de Municípios (AMM), que tem nos representado muito bem, tendo, inclusive, já ajuizado ações judiciais nesse sentido. Vamos aguardar as decisões judicias, ou solução por parte do novo governo, ou quem sabe um auxílio por parte do governo federal. Estamos tentando de tudo. Além disso, estamos estudando estratégias que possam aumentar nossa arrecadação, para implementá-las em breve.

 

Jornal São Tomé Online – Então, a Prefeitura anunciou que executa uma série de medidas para conter gastos, inclusive, demitindo pessoal e deixando de prestar alguns serviços. Por favor, nos explique o que tem sido feito neste sentido, visando administrar os poucos recursos do município?

Tomé Alvarenga – Olha, além das demissões, nós rescindimos vários contratos com assessorias ou consultorias, entregamos alguns imóveis que estavam locados pelo Município e otimizamos outros espaços. Suspendemos festas que estavam previstas, diminuímos linhas telefônicas e fizemos planos mais econômicos. Além das medidas já previstas no Decreto.

 

Jornal São Tomé Online – Agradecemos pela entrevista e pedimos para emitir suas considerações finais aos nossos leitores.

Tomé Alvarenga – Eu que agradeço pela entrevista. É sempre bom a gente ter oportunidade de ser ouvido. Eu tenho ouvido todos que me procuram. Eu quero pedir à população que continue me apoiando, mesmo nesse momento delicado. Eu assumi a prefeitura numa situação inusitada e tenho combatido o bom combate. São inúmeras as dificuldades e eu tenho conseguido estar aqui porque a população tem me ajudado e está junto comigo desde o primeiro dia. Também tenho mantido diálogo com a Câmara e tenho contado com o apoio de quase todos os vereadores – o que já facilita muito o trabalho. Mesmo tendo assumido repentinamente e mesmo enfrentando essa crise sem precedentes, nós já conseguimos viabilizar o concurso público, já quitamos parte da dívida do Município com o INSS. Já conseguimos um caminhão pipa e um rolocompactador. Já iniciamos as obras do calçamento da Biquinha; está em andamento a reforma do estádio Arizão. Terminamos a revitalização do portal de entrada da cidade, da avenida de entrada e também já se encontra fase final de reforma. Fizemos a ponte que dá acesso para a cachoeira Shangrilá e fizemos em parceria para a reforma de várias pontes de madeira na zona rural. Concluímos as obras do poço artesiano na comunidade da Batinga e do bairro Pontinha, falta apenas alguns detalhes, como as reformas de várias casas usadas para os departamentos públicos  entre outras coisas... Penso que assim que a situação dos repasses normalizar, nós faremos muito mais, pois estamos empenhados em fazer uma gestão eficiente, que faça diferença na vida da nossa cidade e de nossos cidadãos. Estejamos firmes e juntos! Obrigado.

 

* Pepe Chaves é jornalista e editor dos portais Via Fanzine, Jornal São Tomé Online e da Rede ZINESFERA.

 

- Foto: Karen Parada/Ascom STL.

 

Leia também:

Outros destaques em Jornal São Tomé Online

Outros destaques em Via Fanzine

 

- Produção: Pepe Chaves.

© Copyright 2004-2018, Pepe Arte Viva Ltda.
 

Ir para a página principal

 

ARQUEOLOVIA ASTROVIA DORNAS ITAÚNA J.A. FONSECA SÃO TOMÉ UFOVIA VIA FANZINE           
© Copyright 2004-2018, Pepe Arte Viva Ltda.
 

 

Motigo Webstats - Free web site statistics Personal homepage website counter