HOME | ZINESFERA| BLOG ZINE| EDITORIAL| ESPORTES| ENTREVISTAS| ITAÚNA| J.A. FONSECA| PEPE MUSIC| UFOVIA| AEROVIA| ASTROVIA

 

 

 Minas Gerais

 

Cidade Administrativa de BH:

Aécio recebeu 5,2 milhões de propina, diz delator

Propina de Aécio na Cidade Administrativa teria sido de R$ 5,2 milhões, afirma delator.*

 

A Odebrecht, sozinha, faturou cerca de R$ 90 milhões com a Cidade Administrativa e teria repassado

os R$ 5,2 milhões em propinas para Aécio por meio de vários pagamentos a seus intermediários.

Leia também:

Últimos destaques de Via Fanzine

 

Delatores da Odebrecht afirmaram à Procuradoria-Geral da República (PGR) que, em 2007, por determinação do senador Aécio Neves (PSDB), então governador de Minas Gerais, a empresa pagou propina de R$ 5,2 milhões na construção da Cidade Administrativa - nova sede do governo do Estado, erguida na gestão do tucano.

 

O ex-diretor de Infraestrutura da empreiteira, Benedicto Júnior, contou que, numa reunião no início de 2007, no Palácio das Mangabeiras, Aécio o comunicou que havia decidido pela participação da Odebrecht na obra, antes mesmo de a licitação ocorrer.

 

Nesse encontro, o tucano teria indicado Oswaldo Borges, seu contraparente e então presidente da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig), para “acertar tudo a respeito”. A partir daí, a Odebrecht indicou seu superintendente em Minas, Sérgio Luiz Neves, para tratar de pagamentos e combinar as fraudes ao processo de concorrência.

 

A Odebrecht levou o lote 2, de R$ 360 milhões, em consórcio com a Queiroz Galvão e a OAS. Houve reuniões entre os empreiteiros escolhidos previamente para a obra, segundo ele, para tratar de detalhes da licitação e da desclassificação de concorrentes indesejados.

 

A Odebrecht, sozinha, faturou cerca de R$ 90 milhões com a Cidade Administrativa e teria repassado os R$ 5,2 milhões em propinas para Aécio por meio de vários pagamentos a seus intermediários. Alguns deles, segundo Benedicto, foram feitos diretamente a Oswaldo Borges na concessionária Minasmáquinas, de propriedade dele.

 

* Informações da Agência Estado (SP).

  13/04/2017

 

- Foto: Gil Leonardi/Imprensa MG.

 

*  *  *

 

Pará de Minas:

PF apreende 430 kg de pasta base de cocaína em aeroporto*

Além dos cerca de 415 tabletes da droga, foi apreendido um pacote com cerca de um quilo

de folhas semelhantes a folhas de coca; venda de droga poderia render até R$ 7 milhões.

 

A droga não foi deflagrada após uma operação policial que perseguia uma quadrilha de tráfico,

mas foi surpreendida por causa de um piloto que fazia manobras rasantes no aeroporto.

Leia também:

Últimos destaques de Via Fanzine

 

A droga apreendida pela Polícia Federal (PF) em uma aeronave que pousou no aeródromo municipal de Pará de Minas, região Centro-oeste do Estado, foi tamanha e representava tanto dinheiro que o delegado responsável, Elster Lamoia de Moraes, exitou em mencionar valores. “Se eu for falar, nós vamos virar uma bolsa de valores de drogas”, disse ele, em seguida soltando: “você pode calcular de R$ 15 a R$ 18 mil por quilo dessa pasta base de cocaína para entrega em Belo Horizonte”. A apreensão foi de 430 kg em tabletes a serem processados e gerarem pelo menos o triplo de cocaína para consumo. Um negócio em torno R$ 7 milhões em drogas a serem distribuídas no Carnaval, interrompido pela polícia.

 

A droga não foi deflagrada após uma operação policial que perseguia uma quadrilha de tráfico, mas foi surpreendida por causa de um piloto que fazia manobras rasantes no aeroporto, por desconhecer a área – era um mato-grossense – ou, mesmo, para avisar aos destinatários do entorpecente, mas acabou chamando a atenção de vizinhos que denunciaram à Polícia Militar (PM) de Pará de Minas, na tarde desta quarta-feira (15).

 

Esse tipo de apreensão de imensa quantidade de drogas transportadas em monomotor, provavelmente roubado, não é tão comum em Minas. A aeronave tem indícios de adulteração de prefixo e sofreu alterações para ter uma maior autonomia de voo, já que veio direto da Bolívia à região central mineira, geograficamente estratégica. O piloto, de 62 anos, que até então não tinha antecedentes criminais registrados, fugiu assim que viu a movimentação policial e foi encontrado ainda hoje em um hotel próximo a rodoviária da capital.

 

“Ele estava dormindo, tranquilo, quando chegamos, e foi logo admitindo que era o piloto que transportava a droga”, relatou o delegado. O mato-grossense disse à PF que o transporte até Pará de Minas lhe renderia R$ 20 mil, mas poderá resultar em até 25 anos de prisão por tráfico internacional de entorpecentes, após assumir “a missão de deixar a aeronave no aeroporto e retornar no dia seguinte vazio”, contou o piloto ao delegado, que ficará, por ora, preso na região metropolitana de Belo Horizonte.

 

Moraes afirmou que ainda investiga quem seria o receptor e o fornecedor da droga, pois o piloto pouco sabia dessa cadeia. O proprietário do hangar onde o monomotor desceu regularmente e o responsável pelo prefixo da aeronave – que está suspenso e a PF acredita ter sido clonado – não estariam entre os suspeitos. Como o aeródromo é de administração municipal, a fim de evitar novo tráfico ilegal por ali, o delegado vai sugerir que se tenha uma gerência mais rígida das aeronaves que alugam e pernoitam no local. “O controle lá é praticamente inexistente, não há nem câmaras internas”, afirmou Moraes.

 

* Informações de Joana Suarez/O Tempo.

  16/02/2017

 

 - Foto: Polícia Federal/Divulgação.

 

Página inicial  HOME

 

 

 

 

 

 HOME | ZINESFERA| BLOG ZINE| EDITORIAL| ESPORTES| ENTREVISTAS| ITAÚNA| J.A. FONSECA| PEPE MUSIC| UFOVIA| AEROVIA| ASTROVIA

© Copyright 2004-2017, Pepe Arte Viva Ltda.

 

Motigo Webstats - Free web site statistics Personal homepage website counter